quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

BRT de João Pessoa deve sair do papel em março

23/02/2015 - Correio da Paraíba

As obras do BRT, que a prefeitura pretende implantar em João Pessoa, poderão sair do papel, até o final do próximo mês. Foi o que afirmou o superintendente de mobilidade urbana da Capital, Carlos Batinga, que disse estar faltando apenas a liberação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep) e a conclusão de projetos complementares, para que a primeira parte da obra seja licitada. 

Créditos: Marcopolo - Montagem: Renatto Passos.

O projeto estava paralisado porque o Tribunal de Contas entendeu que havia falhas no processo de contratação para elaboração do projeto executivo de engenharia e projeto ambiental, a execução de obras que poderiam causar prejuízos aos cofres públicos. Segundo Batinga, todas as falhas foram resolvidas e o projeto já pode voltar a ser licitado. “Da parte de projetos estamos precisando apenas concluir alguns complementares. A pendência mesmo é a análise do terminal do Varadouro, por parte do Iphaep, uma vez que já obtivemos a liberação do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, que é o órgão nacional”, disse. 


A diretora executiva do Iphaep, Cassandra Figueiredo, disse que não tinha conhecimento da tramitação desse processo no órgão. Primeira etapa. Segundo o superintendente, a licitação do mês de março será da primeira etapa do projeto, que inclui o corredor da Avenida Pedro II e dois terminais, que será construído em um terreno que fica na lateral esquerda do Terminal Rodoviário. “Já temos os recursos disponíveis para execução dessa parte da obra e vamos captar o restante à medida em que a primeira parte estiver sendo executada”, acrescentou Batinga. Ontem à tarde, aconteceu uma reunião entre os diretores da Semob e o DER, para discutir detalhes sobre a construção do terminal do Varadouro.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Governo do ES cancela licitações para BRT e ciclovia na 3ª Ponte

15/02/2016 - CBN Vitória

Edital do BRT já estava suspenso por determinação do TC-ES há 2 anos. Alegações dadas pela secretaria são "questões administrativas"

Leandro Nossa 

O Governo do Espírito Santo cancelou as licitações para implantar o Sistema BRT (corredor exclusivo para ônibus) e dos estudos para a colocação de ciclovias na Terceira Ponte.

Os cancelamentos foram assinados pelo secretário de Transportes e Obras Públicas, Paulo Ruy Carnelli, no Diário Oficial desta quinta-feira (11).

As alegações dadas na publicação são “questões administrativas”.

Por meio de assessoria, a Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop) informou que o cancelamento publicado no Diário Oficial segue a suspensão determinada pelo Tribunal de Contas do Estado (TC-ES).

A secretaria também informou que, devido à crise econômica, o BRT não será implantado nesta gestão.

O edital do BRT já estava suspenso por determinação do TC-ES há dois anos. Na época, a corte alegou que havia ilegalidades no edital.

Segundo avaliação do TC-ES, era ilegal o critério do edital que exige apenas um atestado de qualificação para o tipo de obra prevista no BRT.

A assessoria da Setop também informou que demais obras atreladas ao BRT, como a ampliação da Avenida Leitão da Silva e o Portal do Príncipe serão mantidos.

O BRT era considerado a grande obra de mobilidade do Espírito Santo na gestão passada.

Ciclovia

No caso dos estudos para implantar a ciclovia na Terceira Ponte, já havia recomendação do Ministério Público de Contas (MPC) para suspensão do edital por falta de parecer jurídico para implantá-lo. A suspensão foi adotada pela Setop em 2014.

Sobre novos projetos, a Setop informou que as principais obras previstas no projeto do BRT serão licitadas separadamente.

Foram priorizadas quatro grandes intervenções: em Carapina, serão realizadas obras para ampliar a capacidade da BR-101, entre o viaduto da Vale e a descida do Aeroporto de Vitória, onde será implantada uma passagem subterrânea de veículos para acesso à Avenida João Palácio, eliminando o cruzamento com semáforo.

Em Vitória, serão realizadas intervenções viárias no Portal do Príncipe para eliminar a retenção de tráfego na região da Ilha do Príncipe/Vila Rubim.

Também está prevista a construção de um viaduto na Av. Fernando Ferrari com a Av. Adalberto Simão Nader, e de um túnel sob o morro de Monte Belo, para que a Avenida César Hilal tenha continuidade até alcançar a Avenida Vitória, logo após a Fábrica de Ideias, criando corredores alternativos para distribuição de fluxos.

Quanto à Terceira Ponte, estão sendo realizados estudos para ampliar a capacidade da ponte e melhorar o tráfego nos horários de pico, mas depende de decisão da Justiça, que está analisando o contrato de concessão.

Não há estudos sobre a construção de ciclovia na Terceira Ponte. De acordo com técnicos da Setop, a ponte tem uma rampa muito longa e inclinada, por isso uma ciclovia nela não seria viável. Além da questão apontada pelos técnicos, existe o problema da falta de espaço e o perigo para os ciclistas.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Piracicaba inicia obras para implantar corredores de ônibus em avenidas



02/02/2016 - G1

Corredores preferenciais serão construídos em cinco avenidas da cidade. O investimento previsto para a primeira etapa é de R$ 9,6 milhões

ecretário de Trânsito, Jorge Akira, apresentou o p 
O Secretário de Trânsito, Jorge Akira
créditos: Alessandro Meirelles/G1

A Prefeitura iniciou, na segunda-feira (1), as obras para implantação do primeiro trecho de corredores de ônibus em cinco avenidas de Piracicaba (SP): Armando de Salles Oliveira, Rui Barbosa, Juscelino Kubitschek de Oliveira, Dona Francisca e Barão de Serra Negra. A empresa contratada pela administração municipal iniciou as demarcações, sondagem e locação de maquinários. O investimento previsto para a primeira etapa é de R$ 9,6 milhões.

O projeto de melhoria no transporte público da cidade consiste na requalificação de corredores estratégicos para diminuir o tempo de viagem e proporcionar mais conforto e segurança aos usuários do sistema. De acordo com o secretário de Trânsito e Transportes (Semuttran), Jorge Akira, a Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira e o viaduto da Rua do Rosário são os primeiros a receberem a intervenção.

"A proposta é a melhoria do transporte público e deverá beneficiar o serviço de transporte, podendo atrair novos usuários", afirmou Akira. "O projeto também engloba a modernização dos terminais de ônibus”, disse.

Projeto

Ao todo, o projeto para criação de corredores de ônibus em Piracicaba, que inclui melhorias em 9 km de via, está sendo custeado por um financinamento obtido junto ao programa "Mobilidade Médias Cidades", da Caixa Econômica Federal, no valor de mais de R$ 55,4 milhões. Desse montante, cerca de R$ 2,8 milhões são contrapartida da Prefeitura.

De acordo com o poder público, haverá recapeamento de trechos que estiverem ruins, continuação de alça no viaduto da Rua do Rosário, eliminação de terceiro estágio em semáforos, alteração de sentidos em algumas vias, instalação de piso em concreto e construção de calçada acessível nos pontos de parada, implantação de novas faixas de pedestres próximas aos pontos de parada e sinalização horizontal, vertical e semafórica.

O contrato com a empresa Termaq para o início das obras do primeiro trecho de corredores preferenciais para o transporte coletivo foi assinado por Ferrato dia 27 de janeiro, na companhia dos secretários da Semuttran, Jorge Akira, e de Obras, Arthur Ribeiro.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

BRT completa um ano em Uberaba e usuários avaliam sistema

30/01/2016 - G1 Minas

O sistema de transporte coletivo BRT-Vetor vai completar 1 ano de funcionamento em Uberaba neste domingo (31). O modelo modificou a rotina dos usuários e comerciantes ao longo da Avenida Leopoldino de Oliveira, além de despender gastos não planejados para manutenção e reformas. Através de pista exclusiva ao longo da via, os ônibus fazem a ligação entre o Terminal Leste (Bairro Manoel Mendes) ao Terminal Oeste (Univerdecidade). Ao longo do trajeto, estações-tubos abrigam os passageiros.

A reportagem esteve em um dos terminais para saber as opiniões de quem depende do transporte público (Confira no vídeo). Ao longo da semana , o G1 também fez uma enquete para saber dos uberabenses o que mais caracterizou o BRT-Vetor ao longo do primeiro ano de funcionamento.

Para a maioria dos 1.949 internautas, o sistema BRT-Vetor se caracterizou pela agilidade para chegada ao destino (1.447 votos). Em seguida, foi eleito a segurança e conforto (316), dificuldades no trânsito de pedestres e veículos ao longo da avenida (89), prejuízo para o comércio ao longo da via (52) e tempo de espera de coletivos que sigam dos terminais (26). Os riscos oferecidos nas estações e entrada/saída dos ônibus ficou em sexto lugar (12). Outros sete usuários não souberam opinar.

O superintendente de transporte público Claudinei Nunes destacou que nos três meses iniciais pós-implantação houve muitas dúvidas dos usuários. Na sequência, por causa das degradações da estrutura, foram necessários fazer gastos não previstos. Os valores não foram divulgados.

"Acreditamos que o vandalismo prejudicou muito a operação do sistema. Não temos como precisar valores, mas foram muitas trocas de vidros, catracas, validadores, câmaras de segurança, aparelhos de ar-condicionado furtados ou quebrados”, disse.

A inauguração do sistema ainda sem todas as etapas em funcionamento causou problemas para usuários, principalmente idosos, que sofreram acidentes na entrada e saída dos ônibus e nos terminais. Claudinei afirmou que os motoristas foram treinados para redobrarem a atenção. "Cobramos das empresas concessionárias treinamentos aos motoristas com referência a parada mais próxima da plataforma das estações, afixamos adesivos informativos alertando os usuários sobre o vão existente entre a plataforma e ônibus”, acrescentou.

Nunes adiantou que para o segundo ano de funcionamento do projeto, os usuários poderão dispor de novidades nos terminais como a instalação de piso tátil no terminal leste em fevereiro; instalação de internet, som, quiosques comerciais e totens com mapas dos itinerários das linhas. Já as estações-tubo contarão com painéis informativos de previsão de horários.

A obra teve valor total de pouco mais de R$ 31 milhões, sendo R$ 19 milhões da Prefeitura, aproximadamente R$ 1,9 milhão obtidas por meio de compensação da MRV e quase R$ 10 milhões das empresas de transporte coletivo. Nos meses iniciais, houve aumento de infrações de trânsito devido às mudanças na via.

Impacto no comércio

Em março, o G1 repercutiu com comerciantes instalados na avenida os prejuízos do BRT-Vetor para os negócios. Alguns optaram pela mudança de endereço. A principal queixa foi em relação à proibição dos estacionamentos na via. Em junho, a Prefeitura anunciou mudanças. Entre elas, a liberação da parada na via das 20h às 6h.

Balanço solicitado à Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Uberaba pelo G1 apontou que, ao longo do período de um ano, houve queda de até 30% nas vendas e fechamento de lojas. O presidente da CDL, Fulvio Ferreira, destaca mudança no perfil das lojas e ações conquistadas em prol dos comerciantes.

"Houve queda nas vendas e o principal motivo foi a retirada dos estacionamentos. Em linhas gerais, os estabelecimentos se tornaram mais populares. A CDL fez ações junto ao Poder Público no sentido de retirar os segregadores bem como viabilizar os estacionamentos após às 18h e aos finais de semana”, disse.

Novos terminais

No início de janeiro foi dado o pontapé para as obras dos terminais BRT-Vetor Sudoeste e Sudeste. O eixo Sudoeste terá embarque e desembarque na Avenida Juca Pato, com trajeto passando pelas Avenidas João Dallacqua, Dona Maria de Santana Borges, da Saudade, Bento Ferreira até a Leopoldino de Oliveira. O investimento oriundo do Governo Federal será de R$ 22.812.409,34.

Já o eixo Sudeste terá terminal na Avenida Bandeirantes, cujo trajeto passa pelas Avenidas Abílio Borges, Nelson Freire e Guilherme Ferreira. Os recursos serão de R$ 18.458.733. Em ambas as obras os estacionamentos serão mantidos e não haverá segregadores (tachões) e nem grades.