domingo, 27 de setembro de 2015

Prefeitura de Belém fecha acordo de R$ 67,6 mi para o BRT

26/09/2015 - O Liberal - PA

O prefeito Zenaldo Coutinho assinou, ontem à tarde, convênio com a Caixa Econômica Federal, para o repasse de recursos que darão seguimento às obras e serviços do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O financiamento, no valor de R$ 67,6 milhões, é concedido pela CEF. Segundo o prefeito, o maior volume desse dinheiro será destinado ao sistema Bus Rapid Transit (BRT), do Programa de Mobilidade Urbana e desenvolvido pela Prefeitura no trecho que liga a avenida Almirante Barroso à avenida Augusto Montenegro.

Os demais recursos serão empregados nas obras da Bacia do Paracuri, em Icoaraci. "Com esses recursos, conseguimos garantir a celeridade e a consolidação desse projeto, que é fundamental para a nossa cidade”, disse Zenaldo, referindo-se ao BRT. O prefeito disse que a obra do BRT é ampla. "Não se exauriu na Almirante Barroso e também nem vai acabar na Augusto Montenegro. Já está contratado, e em andamento, até Icoaraci, no bairro da Agulha. Da Agulha até o porto de Icoaraci e de São Brás até o Ver-o-Peso são outros projetos. E também teremos outro, já aprovado, que é o BRT Centenário, que começa nessa avenida e vai até a Júlio Cesar e, em seguida, até a Doca de Souza Franco”.

Zenaldo também comentou a interdição de um trecho da Augusto Montenegro, na última quarta-feira, por causa das obras do BRT: "É um sofrimento temporário, para garantir uma obra de fôlego, uma obra que vai dar grande impacto à cidade. Não é só o BRT. Estamos falando de drenagem ao longo da Augusto Montenegro, falando de uma nova iluminação, de ciclovia, de calçamento, do elevado que vai haver na Independência, na Mário Covas”, justificou.

Zenaldo disse ainda que, no contrato assinado ontem, não haverá contrapartida da prefeitura. "É um financiamento da contrapartida da prefeitura. Ou seja, esse dinheiro é emprestado para a prefeitura. O município vai pagar tudo depois. Mas isso aí é um financiamento da contrapartida das obras do PAC”, disse.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Estado de PE desiste de implantar corredor de BRT na rodovia BR-101

25/09/2015 - Jornal do Commercio - PE

ROBERTA SOARES

A crise e a falta de perspectiva econômica do País travaram mais uma das inúmeras obras de mobilidade anunciadas com pompa pelo governo de Pernambuco, ainda na gestão do falecido ex-governador Eduardo Campos. Dessa vez a vítima é o corredor exclusivo de BRT (Bus Rapid Transit) previsto para ser construído na BR-101. Nada saiu do papel desde que foi anunciado, ainda no início de 2013, e agora a Secretaria das Cidades avisa: o projeto está engavetado, sem prazo para voltar a ser discutido. Por enquanto, a rodovia federal terá apenas a operação tapa-buraco e, só no futuro, será feita a restauração completa. Mas nada de transporte público de qualidade.

O Corredor de BRT seria implantado nos 30,6 quilômetros do contorno urbano que a BR-101 faz da Região Metropolitana do Recife. Ligaria o Terminal Integrado de Abreu e Lima, no extremo norte, ao TI de Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, no extremo sul. Na época, foi anunciado como um mega projeto pelo governo. Somente a implantação do corredor exclusivo de BRT custaria R$ 550 milhões. Todo o projeto da BR-101, incluindo a restauração do contorno e as obras d’arte, como são chamadas as pontes, viadutos e elevados, tinham custo superior a R$ 800 milhões.

Seriam construídas 39 estações de BRT e até um elevado exclusivo para os ônibus entre a Avenida Caxangá e a BR-232, exatamente no trecho de maior movimento da BR-101. A previsão era atender 150 mil passageiros. Hoje, as 13 linhas que circulam na rodovia – a quarta perimetral do Recife e de extrema importância operacional para o SEI (Sistema Estrutural Integrado) – transportam 120 mil pessoas por dia, mas em péssimas condições e sem qualquer conforto.

"Infelizmente tivemos que desistir do projeto. A implantação do corredor de BRT estava dividida em três segmentos de dez quilômetros cada e conseguimos assinar um termo de compromisso para receber R$ 132 milhões do governo federal apenas para o primeiro. Não para os outros. Diante do cenário nacional atual, decidimos que o corredor não é prioridade. Que não devemos tentar iniciar um novo projeto tendo outros pendentes. Temos que terminar o que está em obras. Esse é nosso compromisso”, explicou o gerente-geral de mobilidade da Secretaria das Cidades, Gustavo Gurgel.

Não pesou apenas a dificuldade financeira do governo estadual, que assinou decreto de contigenciamento para reduzir em 25% as despesas administrativas, mas principalmente a instabilidade econômica da União. "Não dá para, no momento atual, apostar em uma obra que dependa de recursos federais. É muito risco de descontinuidade. Também não dispomos, agora, de recursos para a contrapartida que o Estado teria que dar. Por isso decidimos que iremos fazer a recuperação emergencial da BR-101 e, futuramente, apenas a restauração da pista”, reforçou Gurgel. Dos R$ 182 milhões previstos para a restauração da rodovia, R$ 120 milhões já estão à disposição da Secretaria das Cidades.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

BRT mais distante da Agamenon

23/09/2015 - Diário de Pernambuco

O ramal do sistema Bus Rapid Transit (BRT) da Avenida Agamenon Magalhães corre risco de não sair do papel. Após vários prazos vencidos para o início das obras, o projeto está sendo avaliado pelo governo do estado, que vai decidir se o trecho é prioritário no atual momento. Embora ainda não tenha descartado oficialmente a implantação do BRT na artéria, a Secretaria de Cidades já não trabalha mais com prazos e diz que não sabe se a pauta vai entrar nos planos do estado.

Diante da falta de perspectivas para o projeto, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) estuda implantar uma Faixa Azul na Agamenon Magalhães, com o objetivo de melhorar o fluxo do transporte coletivo no corredor. A velocidade média da via, em horários de pico, é de 17km/h.

"Houve a contratação de empresa para a implantação do Ramal Agamenon Magalhães, mas a companhia não tem interesse em continuar. Está ocorrendo processo de distrato contratual”, informou, através de nota, a assessoria da Secretaria das Cidades de Pernambuco.

Segundo o gerente de Mobilidade da pasta, Gustavo Gurgel, há um termo de compromisso entre a secretaria e a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 120 milhões, para a realização das obras. Ele acrescenta que o grau de prioridade do serviço será uma avaliação administrativa que não se deve à falta de recursos. No inicío do ano, contudo, a pasta justificou que as obras, previstas inicialmente para serem entregues antes da Copa do Mundo, estavam atrasadas porque a verba do governo federal não havia sido liberada.

Análises

Por causa da intenção de implantar o ramal, a via ficou de fora das prioridades da CTTU para a Faixa Azul, sistema de faixas exclusivas para ônibus e táxis com passageiros que deve abranger 60km até o fim de 2016. "A possibilidade de implantar uma Faixa Azul na avenida não está descartada, mas depende dos resultados de uma série de análises técnicas e simulações de engenharia de tráfego, que indiquem a viabilidade de garantir um aumento considerável na velocidade dos transportes coletivos que circulam no local”, ponderou a CTTU, por nota. O órgão afirmou que os estudos serão realizados.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Estações do Corredor Expresso Fortaleza disponibilizam acesso a internet wi-fi

18/09/2015 - Fortalbus

Acessar a internet por meio de rede wi-fi nas estações do Corredor Expresso Fortaleza é mais uma comodidade oferecida pelo novo corredor de ônibus localizado na Avenida Bezerra de Menezes, inaugurado no último dia 18 de julho. Para utilizar, basta realizar o cadastro oferecido pela Coordenadoria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Citinova) por meio do site http://wifi.fortaleza.ce.gov.br.



Os dados do usuário são solicitados e devem ser confirmados por e-mail. O acesso é liberado por cerca de uma hora e está limitado à área da estação. A capacidade e velocidade de acesso foram dimensionadas a partir de uma estimativa de quantidade de usuários das estações. O acesso é bloqueado para conteúdo impróprio.

O programa Fortaleza Inteligente oferece internet em diversos espaços públicos da cidade, como praças e, agora, nas estações. Com isso, os usuários do transporte público podem, inclusive, utilizar o aplicativo Meu Ônibus, oferecido, gratuitamente, nos sistemas Android e IOS para acompanhar a previsibilidade de chegada do transporte público.



A internet wi-fi é mais um benefício oferecido pela construção do Corredor Expresso Fortaleza, obra realizada pela Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinf) e da Empresa Municipal de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor).

Instruções para acesso - Para conectar, é necessário confirmar a solicitação do cadastro no site wifi.fortaleza.ce.gov.br por email, utilizando o 3G de qualquer operadora. Quando for acessar, é necessário efetuar o login com o CPF e a senha cadastrados sempre com o limite de 1 hora de uso. Excedido este tempo, para conectar outra vez, é preciso efetuar o login novamente. O cadastro é válido para qualquer espaço público que ofereça internet gratuita da Prefeitura de Fortaleza.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

BRT de Goiânia segue com indefinições

17/09/2015 - O Popular - GO

Cerca de 150 dias depois de iniciada, a construção do corredor de trânsito rápido para ônibus, o BRT (Bus Rapid Transit, da sigla em inglês) está com problemas espalhados em sua extensão, o que prejudica o avanço da obra. O principal deles é a judicialização do processo desde que o promotor de Justiça Marcelo Fernandes de Melo pediu a paralisação da obra solicitando que seja feito estudo ambiental que justificasse a retirada de cerca de 2 mil árvores.

A juíza Zilmene Gomide da Silva Manzolli, da 1ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Goiânia, deve citar a Prefeitura nos próximos dias para justificar a defesa no processo e, posteriormente, decidir se acata ou não o pedido do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO). O caso tem sido apontado como o problema para ampliar as frentes de serviço do BRT, mas, mesmo antes disso, o consórcio responsável pela obra mantém operários em um local, na Avenida Goiás Norte.

O frentista Bonfim Neres Leite, de 38 anos, trabalha em um posto de combustíveis na Avenida Goiás Norte e, mesmo estando no local mais avançado das obras do BRT, duvida que o corredor seja terminado no prazo estimado, até o início de 2017. Para ele, os transtornos no local e os diversos problemas em outros trechos vão fazer com que a construção atrase.

A reportagem do POPULAR percorreu, na tarde de ontem, toda a extensão do BRT e, desde a Avenida Rio Verde e até o Setor Recanto do Bosque, e viu que há desconfiança da população. Comerciantes próximos ao Terminal Recanto do Bosque, por exemplo, duvidam que o corredor vai passar do cruzamento com a Avenida Perimetral Norte. A Prefeitura de Goiânia informou que, em respeito ao processo judicial sobre a obra, não vai se manifestar em relação a continuidade do BRT.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Impasse sobre BRT gera nova briga política entre prefeitura e governo

10/09/2015 - Tribuna da Bahia

O prefeito ACM Neto (DEM) anunciou o projeto do BRT (Bus Rapid Transit) no início da sua gestão, em 2013, e seu objetivo era entregar a via expressa ligando a Estação da Lapa à Ligação Iguatemi Paralela (LIP) no primeiro semestre de 2016, a poucos meses da eleição municipal. No entanto, aquilo que poderia ser o carro-chefe da administração do democrata está se tornando motivo de novo embate político.

Primeiro, porque o BRT com aproximadamente nove quilômetros de extensão tem um custo previsto de R$820 milhões, acrescidos aí a contrapartida da prefeitura e que deve elevar o orçamento para pouco mais de R$1 bilhão. Do total previsto, R$520 milhões foram solicitados à Caixa Econômica Federal (CEF) como empréstimo e R$ 300 milhões deveriam vir através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade, ou seja, do governo federal. É esse o segundo ponto que tira o sono do prefeito ACM Neto.

Com o Palácio do Planalto fazendo corte de gastos e elevando impostos para tentar contornar os impactos da crise econômica que atinge o país, os recursos para as obras podem não ser liberados tão cedo. Neto chegou a afirmar no início dessa semana que já perdeu as expectativas de ver o BRT funcionando por tão cedo e disparou: "Ficou claro que o problema todo é do governo federal”. Como o governo federal é liderado pelo PT, adversário político do prefeito ACM Neto, uma das principais lideranças da oposição no DEM, as queixas também se dão no plano do jogo de interesse político-eleitoral.

Petistas ironizam o projeto do prefeito e dizem que o BRT está muito caro. Fazendo um comparativo, o equipamento soteropolitano tem praticamente a mesma distância, de nove quilômetros, do que foi iniciado recentemente em Feira de Santana. Lá, o orçamento total foi de R$87 milhões, enquanto em Salvador passará da casa de um bilhão. "A prefeitura fez a sua parte. O início da construção do BRT não tem prazo nem previsão. Agora, o que podemos fazer? Nada, apenas lamentar. Principalmente porque se tratou de um compromisso público da presidente da República, que faz parte de um acordo firmado em 2013, quando a prefeitura transferiu o metrô para o governo estadual”, explicou.

Quando prometeu o aporte financeiro, a presidente Dilma classificou o prefeito da capital como grande parceiro dos governos estadual e federal. A partir de então, o prefeito tem peregrinado por Brasília no intuito de conseguir a liberação dos recursos, mas trâmites burocráticos, principalmente no Ministério das Cidades, comandado pelo presidente do PSD nacional, Gilberto Kassab, têm ameaçado o projeto.

A questão se acirra no plano da política porque o governo Rui Costa também tem o projeto de implantação do VLT (Veículo Leve Sobre Trilho) que pretende ligar o bairro de Paripe, no Subúrbio de Salvador, ao terminal da França, no Comércio, substituindo o atual trem que parte da Calçada rumo aos bairros suburbanos. Em julho, surgiu a informação de que Dilma viria a Salvador lançar o edital de construção do equipamento orçado em R$ 1,1 bilhão. Embora isso não tenha se concretizado, acendeu a luz de alerta no Palácio Thomé de Souza, pois o projeto do BRT havia sido apresentado antes do VLT e esse, por ser de autoria do governo do estado, estaria com mais chances de se concretizar do que o ligado ao prefeito ACM Neto.

O governador Rui Costa (PT) sai em defesa do governo Dilma nessa questão e atribui a demora à crise que o Planalto enfrenta. Apesar dos problemas, o mesmo governo petista tem liberado recursos para a construção de contenção de encostas na cidade, por meio da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur), o que tem causado uma disputa política entre governo e prefeitura. As constantes visitas do governador aos bairros da capital autorizando ou inaugurando obras lhe rendeu o apelido de "goverfeito”, por serem ações que geralmente seriam feitas pelo prefeito.