quinta-feira, 28 de maio de 2015

Licitação para BRT de Salvador, entre Lapa e Iguatemi sai em junho

28/05/2015 - Correio 24 Horas

O custo total é estimado em R$ 1 bilhão e previsão é que as obras sejam entregues ao final de 24 meses

Sistema está orçado em R$1 bilhão
Sistema está orçado em R$1 bilhão
créditos: Divulgação
 
A licitação para a construção do BRT (Bus Rapid Transit) de Salvador será lançada ainda neste semestre, de acordo com o secretário Fábio Mota. "Estamos aguardando o Ministério das Cidades fazer o empenho da contrapartida dele para que a gente possa licitar. O processo está todo pronto, com todas as licenças ambientais permitidas", explicou.
 
O custo total da obra é estimado em R$ 1 bilhão. Ao final de 24 meses (a partir do início das obras), a ligação entre a Estação da Lapa  e o Iguatemi (Lapa-LIP), com tempo de viagem total estimado em 15 minutos, irá beneficiar cerca de 35 mil pessoas, por dia.
 
A expectativa é que a obra seja entregue em 2017. Para o arquiteto e urbanista Jaime Lerner, um dos criadores do BRT, é preciso investir na boa operação do sistema. "Se não for assim, a população não vai mudar. Não é só implantar corredores onde o ônibus tem prioridade. É criar uma rede de transporte público de qualidade bem detalhada e bem operada, senão a população vai dizer que é só ônibus. E não é", alertou Lerner, ex-prefeito de Curitiba que implantou a estrutura na cidade há 40 anos, durante o Fórum Mobilidade Volvo,  na semana passada, na capital paranaense.
 
"Às vezes, uma topografia é difícil (como a de Salvador), mas torna muito mais fácil a integração de linhas. Então, não há nada que não possa ser melhorado", pontuou. O presidente da Associação Nacional de Transportes Urbanos (NTU), Otávio Cunha, diz que, mesmo com o BRT, a cidade deve investir em uma rede de transporte integrada.
 
"Se você tem uma rede de ônibus convencional, alimentando um corredor de BRT, chega num ponto de saturação. Então, precisa ter uma rede de metrô, que é um modo de transporte de maior capacidade. Assim, você tem a rede", concluiu.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Prefeitura de BH dá a partida para expansão do Move para a Avenida Amazonas

23/05/2015 - Estado de Minas / O Tempo

A Prefeitura de Belo Horizonte anunciou nessa sexta-feira o primeiro passo para expansão do Move para a Avenida Amazonas. Segundo o prefeito Marcio Lacerda (PSB), nos próximos dias será licitado o edital para a elaboração do projeto do primeiro corredor do Expresso Amazonas, com nove quilômetros de extensão, entre a Avenida Paraná, no Centro, e o Anel Rodoviário, no Bairro Madre Gertrudes, Região Oeste.

A promessa é de viagens mais rápidas e ônibus maiores para a população das regiões Oeste e Barreiro. O modelo será semelhante ao sistema já implantado nas avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado, Pedro I e no Centro, que, juntos, já transportam 500 mil passageiros por dia, segundo o prefeito. O Move Metropolitano transporta 200 mil/dia. O anúncio ocorreu durante o 2º Fórum de Mobilidade Urbana, que reuniu especialistas, empresários e autoridades no auditório da Câmara dos Dirigentes Logistas (CDL).

Há previsão também de um segundo corredor saindo do cruzamento das avenidas Amazonas e Tereza Cristina, no Bairro Gameleira, Região Oeste, até a Estação Barreiro, que passaria por adaptações para receber o Move. O terceiro ramal terá como destino a Estação Diamante, também no Barreiro.

Em Outubro do ano passado, o Ministério das Cidades aprovou pedido de recursos da PBH para INVESTIMENTOS no conjunto de obras do Expresso Amazonas. Serão 41 quilômetros em 10 corredores. Ao todo, serão investidos R$ 149 milhões, sendo R$ 141,55 milhões de FINANCIAMENTO do governo federal e R$ 7,4 milhões de contrapartida do município.

Lacerda também anunciou para os próximos dias o lançamento de edital para fechar o Ribeirão Arrudas, entre as ruas Rio da Janeiro e Carijós. O projeto já está pronto e há FINANCIAMENTO.

PLANO DIRETOR

O prefeito informou que na próxima semana enviará o projeto do novo Plano Diretor da cidade à Câmara Municipal. Ele acredita que a prefeitura pode sofrer forte oposição do mercado imobiliário, pois o texto vai limitar o que pode ser construído na cidade. "Não somos contrários à verticalização, mas ela precisa ser planejada. É preciso aproximar as pessoas dos meios de transporte de massa de qualidade. Esse é o eixo do planejamento no que se refere à mobilidade. Além disso, criar outras centralidades nos sentido de serviços, comércio e trabalho, para que as pessoas não tenham que se deslocar tanto no dia a dia", disse o prefeito. As controvérsias entre PBH e setor imobiliário começaram em abril do ano passado, durante a 4ª Conferência Municipal de Política Urbana. No fórum em que técnicos, empresários e a população em geral definiam as mudanças no planejamento da cidade, houve uma debandada do setor imobiliário, que alegou "falta de transparência e de condições mínimas do exercício da cidadania".

VIADUTO

Ao comentar a queda do Viaduto Batalha dos Guarapares, que desabou na Avenida Pedro I e matou duas pessoas, em 3 de julho do ano passado, Lacerda disse acreditar na inocência dos funcionários da Sudecap. "Eu confio na boa fé, na inocência dos funcionários da Sudecap, mas é preciso aguardar. Nós não tivemos acesso até agora ao inquérito todo. São mais de mil páginas", disse o prefeito. O inquérito da Polícia Civil já foi concluído e indiciou 19 pessoas, entre eles o ex-secretário municipal de obras, José Lauro Gomes Terror. Os indiciados respondem por dois homicídios com dolo eventual, 23 tentativas de homicídio com dolo eventual e pelo crime de desabamento.

O Tempo - BH

Falta de dinheiro trava obras 

BHTrans aguarda que União libere verba prometida para fazer estação e instalar Move na Amazonas

Dois importantes projetos de mobilidade urbana da capital estão paralisados em razão da falta de repasse de verbas do governo federal. As negociações entre o município e a União, que possibilitarão a construção da Estação São José do Move, no bairro Jardim Montanhês, na região Nordeste, e a implantação do Move da avenida Amazonas seguem atravancadas e poderão ser ainda mais prejudicadas pelo corte de quase R$ 70 bilhões no Orçamento do governo federal, anunciado nesta sexta. Durante o 2º Fórum Nacional de Mobilidade Urbana, na capital, o presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), Ramon Victor Cesar, admitiu que o cenário é preocupante.

De acordo com Cesar, a autarquia se prepara para selecionar a empresa que fará o projeto para as obras na avenida Amazonas, entretanto ainda não há prazo para que isso ocorra. A previsão inicial era que o sistema de transporte no corredor começasse a funcionar ainda neste ano.

"A esperança nunca morre, mas nos causa preocupação. Certamente a negociação tem que ficar cada vez mais inteligente porque o governo federal vai ter que fazer escolhas", disse o presidente da BHTrans, referindo-se ao ajuste fiscal feito pela União.

Conforme a assessoria da empresa de trânsito, o repasse do dinheiro para o projeto já foi aprovado pelo governo federal no fim do ano passado, mas o repasse ainda não foi feito. O valor de R$ 141,5 milhões abrange intervenções no corredor Barreiro-Oeste, que, além da avenida Amazonas, envolve outras avenidas, como a Teresa Cristina.

Estação. A Estação São José do Move deveria ter suas obras iniciadas também em 2015, porém o recurso de cerca de R$ 70 milhões ainda não foi sequer aprovado pelo Ministério das Cidades. Em nota, a assessoria da BHTrans informou que a estação de integração será o próximo projeto priorizado pela autarquia. Procurado, o Ministério das Cidades não se posicionou.

Na região, cerca 35 mil passageiros são atendidos diariamente pelo sistema de transporte coletivo da capital e não contam com uma estação de integração do Move próximo a suas casas. Conforme o projeto, o terminal vai atender 14 bairros e será construído no início da avenida Tancredo Neves.

"Estamos trabalhando para viabilizar a estação (São José), que será do padrão da São Gabriel, talvez até maior. Será muito importante para o Vetor Noroeste", afirmou Cesar, ressaltando que o projeto executivo da estação está pronto e aguarda recursos. "Temos compromisso do governo federal de uma parcela expressiva".

Rodoviária

Construção. As obras da nova rodoviária da capital devem começar em agosto, conforme a BHTrans. Esperado desde 2012, o terminal será construído no bairro São Gabriel, região Nordeste.

Plano Diretor

Nas próximas semanas, o projeto do novo Plano Diretor será encaminhado ao Legislativo. Com relação à mobilidade, o prefeito Marcio Lacerda disse que o projeto cria condições de trabalho e serviços fora do centro. O objetivo é evitar deslocamentos longos. O texto já foi discutido com a sociedade e, para valer, precisa de aprovação dos vereadores.

Viaduto

O prefeito Marcio Lacerda afirmou que "confia na boa fé e inocência dos funcionários da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura" no caso da queda do viaduto Batalha dos Guararapes – oito servidores foram indiciados. Lacerda informou que vai dar detalhes do caso quando tiver acesso às mais de mil páginas do inquérito.

Segurança

Presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), Ramon Victor Cesar informou que os novos 90 seguranças contratados para trabalhar nas estações do Move vão iniciar a vigilância em junho. Apesar de não usarem armas, os vigias estarão munidos de cassetetes, spray de pimenta e algemas.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Projeto de BRTs em João Pessoa não tem previsão de sair do papel

21/05/2015 - Jornal da Paraíba

Mais conforto, comodidade e eficiência no transporte público de João Pessoa. Esses seriam alguns dos benefícios que deveriam ser trazidos pelos Bus Rapid Transit (BRT), contudo esse é mais um projeto que a população não sabe quando sairá do papel. De acordo com a Secretaria de Planejamento Municipal (Seplan), o projeto está passando por adequações exigidas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e ainda não existe previsão de quando o sistema de transporte coletivo será implementado.

Por parte do TCE, foram detectadas irregularidades no edital que poderiam causar danos ao erário, o que gerou a suspensão da licitação em setembro do ano passado. Até o mês de março deste ano a prefeitura ainda não tinha realizado as adequações, motivo pelo qual o processo foi arquivado e, então, para prosseguir com o projeto, a prefeitura deverá lançar um novo edital, que ainda está em fase de elaboração.

A previsão é de que os BRTs circulem por toda a cidade, o que implicará em um contato com as áreas tombadas presentes na cidade. Tendo em vista isso, o Iphan determinou que o projeto dos BRTs também apresente um plano específico com relação às intervenções que deverão ser realizadas nas áreas que fazem parte do patrimônio histórico e artístico da cidade.

Atualmente, conforme a assessoria jurídica da Seplan o projeto está em fase de readequação, motivo pelo qual ele ainda não pode ser apresentado à imprensa. Isso, de acordo com o promotor da 2ª Promotoria do Meio Ambiente de João Pessoa, João Geraldo Barbosa, demonstra mais uma fase do descomprometimento da prefeitura com a elaboração do plano de mobilidade para a cidade. O promotor relembrou que no ano passado solicitou informações à prefeitura com relação à implementação dos BRTs, contudo foi informado, à época, que o projeto ainda estava em fase de implementação e análise.

"Depois de cobrarmos, soubemos que a prefeitura lançou o edital, mas depois o processo de licitação parou no TCE. A questão é que os BRTs são mais um alvo de uma permanente reclamação da promotoria, porque é algo essencial. Seria, enfim, algo concreto que traria qualidade de vida para os usuários, além de uma melhor qualidade da mobilidade urbana e do urbanismo da cidade", comentou, criticando ações da prefeitura como a implantação da faixa exclusiva para ônibus. "Como você coloca uma faixa exclusiva para ônibus num lugar oposto ao dos BRTs? A previsão era de que os BRTs ocupassem a parte central e, caso eles sejam realmente implantados, vê-se que os custos com a faixa exclusiva foram totalmente desnecessários", opinou.

Para apurar o caso, o promotor entrou com uma ação civil pública na qual cobra uma resposta da prefeitura com relação ao plano de mobilidade da cidade. "Pedimos que seja cumprido o que determina a lei. Foi dado um prazo de três anos e 100 dias para que o município elaborasse um plano de mobilidade e não o fez. Um dos prejuízos é a não implantação dos BRTs. Nós estamos acompanhando isso de perto", destacou.

Em ritmo lento, túnel para ônibus vai atrasar

20/05/2015 - O Estado de SP

A construção do primeiro túnel exclusivo para ônibus em São Paulo, projetado para interligar a Radial Leste ao Terminal Parque Dom Pedro, está parada. Menos de seis meses após o início, não há operários trabalhando no canteiro de obras, e a Prefeitura já admite rever o prazo de conclusão, inicialmente estipulado para novembro de 2016.

Orçado em R$ 150 milhões, o túnel de cerca de 700 metros de extensão foi anunciado pelo prefeito Fernando Haddad (PT) em outubro do ano passado. A maior parte dos recursos para execução da obra deve vir do Programa de Aceleração do Crescimento para a área de mobilidade (PAC Mobilidade Urbana), do governo federal. A Prefeitura, no entanto, alega atrasos no repasse das verbas que serviriam para pagar às empresas contratadas.

O túnel integra o projeto chamado Corredor Radial Leste Trecho 1, que tem 12 quilômetros de via segregada para ônibus entre a Estação Vila Matilde, da Linha 3-Vermelha do Metrô, até a altura do Parque Dom Pedro, na região central.

O INVESTIMENTO total previsto é de R$ 455 milhões, dos quais R$ 15 milhões representam a contrapartida da Prefeitura. A via, que aproveitará parte de uma estrutura subterrânea inutilizada pela Companhia do Metropolitano, com extensão de 150 metros, vai levar os veículos que saem da Radial direto para o terminal.

A passagem subterrânea terá uma faixa em cada sentido, além de uma área central de segurança, caso algum ônibus apresente falhas. Em comparação com o acesso atual dos coletivos que saem ou chegam ao Parque Dom Pedro para a Radial, a Prefeitura estima que o túnel tornará o trajeto 20 minutos mais rápido.

Crise. A São Paulo Obras, empresa da Prefeitura responsável pelo gerenciamento do contrato, citou a crise econômica atual para justificar o ritmo das escavações. "Todas as obras com recursos do PAC estão em ritmo bem lento. O túnel tinha a previsão de término para o fim de 2016. No entanto, com a crise econômica que ocasionou a suspensão de recursos e a diminuição do ritmo das obras, esse prazo pode ser estendido", informou a empresa.

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo esteve no local na sexta-feira passada e constatou que o "ritmo lento" da construção admitido pela empresa significava, de fato, a paralisação completa das obras.

Providências. A SPObras confirmou a ausência de trabalhadores no canteiro, mas disse que o ritmo citado se refere à tomada de providências burocráticas, como licenças, e também ao manejo arbóreo. As medidas, de acordo com a empresa, continuam ocorrendo. O Ministério das Cidades informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que "quitou todos os empenhos de obras de mobilidade que estão sendo realizadas pela Prefeitura".

Passagem será paga na plataforma

O projeto do corredor e do túnel exclusivos para ônibus na zona leste e no centro prevê que a cobrança da passagem aos usuários será feita na plataforma de embarque e não no interior do veículo. A via terá piso rígido, faixa de ultrapassagem e deve ter 13 paradas ao longo de sua extensão, que terão ligação com o sistema ferroviário da cidade. A Prefeitura estima que a via deve ser usada por 220 mil pessoas diariamente. 

sábado, 16 de maio de 2015

Duas novas linhas de BRT começam a circular no Grande Recife

16/05/2015 - G1 PE

Veículos de duas novas linhas de BRT – 1946 TI Igarassu (PCR) e 1976 TI Pelópidas (PCR) – começam a circular a partir deste sábado (16), no Corredor Norte-Sul, no Grande Recife. Os ônibus, que passam pela Prefeitura do Recife, vão atender passageiros com destino ao Bairro do Recife. As linhas operaram com 14 veículos e 76 viagens e 18 ônibus e 178 viagens por dia, respectivamente.

A linha 1946, do TI Igarassu, seguirá pelas rodovias BR-101 e PE-15 e também atenderá ao TI Pelópidas e ao TI PE-15. Os ônibus da 1976, do TI Pelópidas, seguirão o mesmo trajeto e entrarão no Terminal Integrado da PE-15. A 1946 - TI Igarassu (PCR) terá operação das 4h10 às 21h30 e a 1976 - TI Pelópidas (PCR), das 4h às 23h40.

Também a partir deste sábado, a linha 1979 - TI Pelópidas (Dantas Barreto) deixará de operar nos finais de semana e circulará de segunda a sexta, das 5h30 às 22h30.

Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte, quatro estações começam a operar no Corredor Norte-Sul: Nossa Senhora do Carmo, localizada na Av. Dantas Barreto, em frente ao Edf. IEP; Maurício de Nassau, na Av. Martins de Barros, no cruzamento com a rua 1º de Março; Istmo do Recife, em frente ao prédio da Polícia Federal da Av. Cais do Apolo; e a estação Forte do Brum, na Av. Cais do Apolo, em frente à Prefeitura do Recife.

Com o início da operação desses novos pontos de embarque e desembarque, o Corredor Norte-Sul passa a contar com 20 estações em funcionamento.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Ministério das Cidades cancela BRT em Caruaru (PE) e corredores exclusivos em Olinda e Paulista

13/05/2015 - Diário de Pernambuco

Medida foi tomada após não cumprimento de prazos
 
O Ministério das Cidades decidiu cancelar a implantação do sistema Bus Rapid Transit (BRT) em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. O projeto existe há três anos, quando o órgão constatou que havia viabilidade na área, no entanto, orçado em R$ 250 milhões, nunca saiu do papel. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União da última sexta-feira. Além disso, também anulou a execução das obras de corredor exclusivo de ônibus de complementação da III Perimetral, trecho Olinda e Recife e trecho Paulista.
 
Segundo a publicação, a implantação deveria obedecer aos atos normativos que regem o Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana (Pró-Transporte) e o calendário com os prazos estabelecidos para contratação da operação de crédito no Programa. "Considerando a ocorrência de desistências formalizadas da contratação da operação de crédito e o não cumprimento dos prazos estabelecidos, resolve: Art. 1º Tornar insubsistente a seleção das propostas listadas no Anexo I desta portaria em função da não continuidade da contratação no Programa Pró-Transporte, para fins de realocação dos recursos do programa", consta no documento.
 
O sistema deveria ligar Caruaru de Leste a Oeste - do Alto do Moura ao Bairro das Rendeiras, com estações próprias e aproveitando o trajeto da linha férrea. Através de nota oficial, a Prefeitura de Caruaru explicou que os atrasos ocorridos, quando dos prazos estabelecidos no início, não foram cumpridos por causa da demora na aprovação do projeto, além de outros aspectos formais, que não foram detalhados.
 
Propostas sem continuidade de contratação no programa Pró-Transporte, no âmbito do PAC 2 Mobilidade Médias Cidades

quarta-feira, 6 de maio de 2015

BRT congestiona rodovia em Belém

06/05/2015 - Amazônia Jornal - PA

As obras do BRT na rodovia Augusto Montenegro trouxeram de volta barulho, sujeira e trânsito congestionado. Usuários do transporte público e condutores reclamam da falta de orientação, de direcionamento a vias alternativas e de multas aplicadas pela Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob).

Nos horários de pico, veículos geram filas de até uma hora para se desfazer em um trecho que não tem nem dois quilômetros. Quem passa por lá, agora precisa sair mais cedo de casa se quiser cumprir os compromissos a tempo.

O problema, apontam condutores e usuários do transporte público, é o estreitamento quase total da pista no trecho mais próximo do Entroncamento. Já próximo da saída da rodovia Augusto Montenegro, fica apenas uma pista disponível, por causa das máquinas, buracos, lama e espaço à passagem dos operários. O espaço reservado aos veículos é delimitado por muretas de concreto.

"Tem sido difícil porque o perímetro aqui nunca foi fácil e agora está muito pior. Não dá mais para estacionar porque multam. E tudo ficou muito lento. Estou precisando gastar mais de uma hora para uma distância que não levava 15 minutos. Deixar só uma pista para uma avenida dessas é um problema", criticou o autônomo Lenilson Souza dos Santos, 35 anos. Sobre a presença de agentes da Semob, ele acha que não adiantou muito.

Proprietários de um comércio de móveis na avenida, Carlos e Ângela Santos estimam em quase 100% os prejuízos. Desde o início das obras, os clientes não puderam mais estacionar ou sequer chegar à loja. Apesar do transtorno, eles apenas pedem que a prefeitura conclua a obra o mais rápido possível.

"Não tem jeito, né? Não tem que fazer a obra? A obra é isso. Só acho que não temos estrutura para isso. Estamos sem alternativa. Se a realidade daqui vai mudar, só vendo", disse. Para ele, faltou transparência e comunicação sobre o impacto na área, além de orientação para alternativas. "Só vejo esse pessoal [Semob] multando e todos parados no mesmo lugar".

"Está demais! Não basta esses ônibus péssimos e lotados! A gente ainda precisa aguentar esse engarrafamento terrível. A gente se atrasa cada vez mais para o trabalho e quase nenhum patrão entende. É só mandando sairmos mais cedo de casa. Tudo é feito na marra", reclama a vendedora Lucileia Simões, 32 anos.

A Semob orienta que, nos dois sentidos da rodovia Augusto Montenegro, o ideal é desviar em qualquer uma das vias que dão acesso ao centro de Belém (rodovia Arthur Bernardes, Estrada do Tapanã, Centenário e rua da Marinha), deixando a área entre rua da Marinha e Entroncamento exclusivamente para quem precisa realmente trafegar neste trecho.

Secretaria informa sobre cronograma de trabalho na área

A Prefeitura de Belém, por meio da Secretaria Municipal de Urbanismo (Seurb), informa que as obras começaram no início de abril de 2015, após a liberação das licenças para o andamento da obra. Foram retiradas árvores e o canteiro central no perímetro entre a rua da Marinha até o Mangueirão.

Após a retirada do canteiro desse trecho, foi iniciada, na segunda quinzena de abril, os trabalhos na outra parte da via, que vai da rua da Marinha até o Entroncamento, realizando também a supressão das árvores e retirada do resto do canteiro. A Seurb ressalta que o BRT segue um plano de trabalho para minimizar os transtornos à população, por etapas.

Assim que for eliminado o canteiro central entre o Entroncamento e o Mangueirão, um total de 2,5 quilômetros, começará a terraplanagem e concretagem da pista expressa, por onde vai passar o BRT. Após a concretagem, as obras passam para a via, onde será feita drenagem, calçamento, ciclovia, urbanização e pavimentação.

O canteiro central já está sinalizado e iluminado nos pontos de retornos, neste primeiro trecho da obra, garantindo a segurança do motorista. Com a eliminação do canteiro central, a prefeitura passou a ciclovia para as laterais da avenida neste primeiro trecho da obra, nos dois sentidos, da rua da Marinha até a igreja Centenário da Assembleia de Deus.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Fase de implantação é principal empecilho para o BRT em Sorocaba, afirma presidente da Urbes

03/05/2015 - Diário de Sorocaba

A fase de implantação é o principal empecilho para que o sistema Bus Rapid Transit (BRT) – Ônibus Rápido - comece a funcionar em Sorocaba, justifica o presidente da Urbes-Trânsito e Transportes, Renato Gianolla. Ele adianta que, durante as obras, o trânsito ao longo dos corredores e regiões adjacentes sofrerá transtornos. Para a viabilização do projeto, o Município teve financiamento de aproximadamente R$ 133,9 milhões do governo federal, por meio do programa Pró-Transporte – Mobilidade Médias Cidades, do Ministério das Cidades, obtidos por seleção do Programa de Aceleração do Crescimento.

Para a implantação do BRT, estão previstas desapropriação de imóveis em uma quadra da Avenida São Paulo, onde há um estrangulamento da via, e de três áreas específicas para a implantação dos terminais periféricos nas pontas dos corredores exclusivos norte, nas avenidas Itavuvu e Ipanema, e oeste, na Dr. Armando Pannunzio. De acordo com Gianolla, essas áreas já estão com decretos de desapropriação publicados e serão pagos pela empresa concessionária que vier a vencer a licitação para implantar e operar os corredores do BRT.

A implantação do BRT é um dos pontos do Plano Diretor de Transporte Urbano e Mobilidade da cidade, que tem como prioridade o transporte não motorizado e coletivo. "Com relação ao transporte coletivo, a principal medida é a implantação do BRT nos corredores norte/sul e leste/oeste no município, que visa dotar a cidade com mais eficiência e modernidade", frisa Gianolla. Ele adianta que outro objetivo é a minimização do tempo de deslocamento para todos dos usuários, com sistema eficiente. Assim, diante do grande afluxo de veículos em Sorocaba, para que a meta possa ser alcançada, será preciso a proibição de estacionamento nos corredores onde serão implantados o sistema, com faixas preferenciais.

O presidente da empresa pública explica que o plano ainda precisa ser aprovado pela Câmara de Sorocaba para que as questões financeiras e mudanças de comportamento da população, relacionadas ao projeto, sejam debatidas. Ele frisa, ainda, que o documento já foi revisado e aprovado e o financiamento do governo federal, aprovado. O documento é uma das obrigações para que municípios, com mais de 20 mil habitantes, não sejam impedidos de receber verbas federais destinadas à mobilidade urbana. O plano prevê medidas e obras a curto, médio e longo prazos, ou seja, quatro, oito e 15 anos, respectivamente, que, segundo Gianolla, usará de financiamentos federais e internacionais e de recursos estadual e municipal.

CALÇADAS – Conforme as prioridades elencadas no Plano Diretor de Transporte Urbano e Mobilidade, a requalificação e alargamento das calçadas devem ocorrer em fases de acordo com os trechos de maiores afluxos de pedestres. O documento deixa claro que a maioria das calçadas na cidade precisa ser requalificada, e a manutenção vai priorizar a região central e, no futuro, trechos críticos dos corredores de BRT, centros de bairros, áreas escolares e postos de saúde. Os pontos com altas taxas de acidentes envolvendo pedestres também está na lista. Para isso, estacionamentos nas vias onde há necessidade de alargamentos serão retirados.

ESTACIONAMENTOS – Gianolla enfatiza que outra medida é o gerenciamento do estacionamento de veículos particulares, principalmente no Centro e nos corredores do BRT. Ele afirma que a ideia também implanta o "Park and Ride", que oferece bolsões junto aos terminais e estações de transferências.

NOVA RODOVIÁRIA – Há planos para a construção de um novo terminal rodoviário em 2020 e, de acordo com estudos, a unidade ficaria na região do bairro Brigadeiro Tobias. O presidente da Urbes explica que o processo conta somente com diretrizes e uma pesquisa funcional até o momento, definindo uma área junto à Rodovia Celso Charuri, a estrada Paulo Varchavtchik e a ferrovia para a implantação de um novo terminal intermodal, ou seja, uma rodoferroviária, que deverá ocorrer com os estudos da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) para a implantação do trem regional entre São Paulo e Sorocaba. "O local é ideal, pois está junto à ferrovia e às principais rodovias que cortam o município que, neste caso, são as Senador José Ermírio de Moraes (que dá acesso à Castelo Branco) e Raposo Tavares."

TARIFAS – O presidente da Urbes esclarece que a tarifa paga pelo usuário do transporte coletivo é independente da tarifa de remuneração paga aos concessionários do serviço do transporte coletivo. "Claro que todos esses investimentos no serviço do transporte coletivo aumentarão os recursos financeiros de subsídios dados ao transporte coletivo", ressalta.

sábado, 2 de maio de 2015

Obras dos túneis têm início hoje em Fortaleza

30/04/2015 - Diário do Nordeste

Uma das obras mais aguardadas visando à melhoria da mobilidade urbana da Capital começa hoje: os túneis das avenidas Engenheiro Santana Júnior sob a Padre Antônio Tomás e desta sob a Via Expressa, no bairro Cocó. As intervenções fazem parte da etapa final do corredor exclusivo de ônibus Antônio Bezerra/Papicu. O anúncio foi feito pelo prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, durante entrevista coletiva, na manhã desta quarta-feira (29), no Paço Municipal.

As duas obras serão feitas em paralelo, sendo que a passagem da Av. Engenheiro Santana Júnior sob a Padre Antônio Tomás inicia-se primeiro, com a remoção de interferências subterrâneas e canteiro central naquela área.

Haverá também, de acordo com a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), um estreitamento em ambos os sentidos da Engenheiro Santana Júnior, no trecho compreendido entre as ruas Andrade Furtado e Carolina Sucupira.

Por enquanto, adianta o órgão, não haverá nenhum desvio de tráfego. A obra propriamente dita, com os bloqueios no trânsito, deve iniciar-se no próximo dia 15 de maio.

O túnel da Padre Antônio Tomás que passará sob a Via Expressa também deve começar no mesmo prazo. Ali, está prevista a remoção do canteiro central da Avenida Almirante Saboia, no trecho entre as ruas Carolina Sucupira e Bento Albuquerque, com estreitamento nos dois sentidos de circulação.

Nos locais, haverá um efetivo diário de 18 operadores de trânsito, que atuará no controle do tráfego e orientando condutores e pedestres.

As duas obras têm um investimento de R$ 25 milhões, oriundos de financiamento junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O prazo para a conclusão é até o segundo semestre deste ano. "A ideia é que até o fim de agosto possamos inaugurá-los", aposta o prefeito.

Pedestres

O complexo terá seis pontos com faixas para passagem de pedestres e contará com a primeira ciclofaixa compartilhada com os passeios da cidade. O titular da Secretaria de Infraestrutura de Fortaleza (Seinf), Samuel Dias, explica que isso permitirá que os ônibus se desloquem ao longo de 17,4 quilômetros do corredor Antônio Bezerra, passando pelo BRT da Bezerra de Menezes, Antônio Sales e Terminal do Papicu em menos tempo.

"Os semáforos naquela interseção de vias serão eliminados, proporcionando que o fluxo do transporte público se torne realmente expresso, ligando a Cidade dos Funcionários ao Papicu pela Engenheiro Santana Júnior, e o Centro à Cidade 2000 pela Padre Antônio Tomás", afirmou o secretário municipal.

Trânsito

Na segunda etapa da obra, prevista para o próximo dia 15 de maio, será iniciada a construção das paredes de contenção do túnel. E, por isso, além do estreitamento da via, haverá bloqueio.

Para ter acesso à Avenida Padre Antônio Tomás, os condutores que trafegarem no sentido leste-oeste (Cidade 2000/Centro) devem utilizar as ruas Andrade Furtado, Júlio Azevedo, Bento Albuquerque e Avenida Almirante Henrique Saboia, onde uma das faixas permitirá a conversão à direita livre.

Devido à interdição, os usuários vindos da Engenheiro Santana Júnior no sentido Papicu/Centro não poderão mais dobrar à direita na Padre Antônio Tomás. A opção é entrar na Bento Albuquerque, esquerda Via Expressa e à direita.

Já a alternativa para os motoristas oriundos da Cidade 2000 com destino à Via Expressa permanece inalterada.

Coletivos

Ao longo do mês de maio, a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) irá alterar o itinerário de três linhas de ônibus que passam no local.

As alterações acontecem apenas no sentido Terminal Papicu para o bairro Antônio Bezerra nas linhas 028 - Antônio Bezerra/Papicu; 098 - Expresso/Antônio Bezerra e 032 - Avenida Borges de Melo II.

O novo percurso será feito a partir da Avenida Engenheiro Santana Júnior, onde os veículos acessam a Rua Bento Albuquerque, depois pegam a Via Expressa e retornam à Av. Padre Antônio Tomás.

Nenhuma linha que segue no sentido terminal Papicu/Iguatemi sofrerá alteração, conforme a Etufor.

Binário é entregue em junho

Com um fluxo de 45 mil veículos por dia ou 2,6 mil por hora em horários de pico, duas das principais avenidas do Montese, a Professor Gomes de Matos e Alberto Magno, serão transformadas em binário, a exemplo da Santos Dumont e Dom Luís. As obras para a implantação do sistema começaram na noite desta quarta-feira, com a fresagem (raspagem) do asfalto e devem prosseguir até junho. É o que garante o coordenador do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito (Paitt), Luís Alberto Saboia. Segundo ele, a intervenção custará entre R$ 1,5 e R$ 2 milhões.

As duas vias obedecerão aos sentidos Centro/Parangaba (Alberto Magno, com 2,2 Km de extensão), e o contrário na Gomes de Matos, com 2,1 Km de comprimento, no trecho entre as ruas Major Weyne e 15 de Novembro.

O primeiro terá duas faixas de tráfego misto e mais ciclofaixa. Já o segundo contará com faixa exclusiva para ônibus, duas de tráfego misto e ciclofaixa. Os dois devem integrar o sistema bicicletar, com ligação à Praça da Gentilândia.

Esse binário é o primeiro de uma série de três, informa Saboia. Os outros dois, que entrarão em execução ainda neste ano, serão na Parangaba e Rodolfo Teófilo.

O coordenador explica que a decisão sobre a obra veio após estudo sobre aquela área. Somente na Gomes de Matos, entre 2010 e 2012, ocorreram 337 acidentes, com uma média de um registro a cada três dias. Na Alberto Magno, no mesmo período, foram 413 acidentes, dois a cada cinco dias. Pelas duas vias circulam diariamente 137,7 mil passageiros de transporte público e 127 ônibus de 26 linhas. "Em determinados horários, a velocidade dos veículos não passa de 9 Km/h. Na Alberto Magno é pior, eles chegam a reduzir a velocidade para 5 Km/h", diz.

Estacionamentos

Não é segredo, salienta Roberto Cláudio, que essa área da cidade enfrenta sérios problemas com relação aos estacionamentos irregulares e uso indevido das calçadas. Para isso, promete implantar a primeira Zona Azul da periferia de Fortaleza.

As obras incluem o reordenamento dos estacionamentos, com aumento da capacidade nas vias secundárias e regularização das vagas. "Algumas terão sentido alterados, como a Eduardo Angelim, Sátiro Dias, Samuel Uchoa, Coronel Alexandrino (que ganhará semáforos) e Romeu Martins (eliminação de sinais de trânsito)", afirma.

As duas vias também ganharão iluminação para oferecer maior segurança e conforto para quem trafega pelo trecho. Haverá ainda a requalificação dos 17 pontos de paradas atualmente existentes nas duas vias, implantação de lixeiras e ciclomonitoramento e plantio de 500 novas mudas. "A respeito da requalificação dos passeios, ainda estamos dependendo de parceiros", diz o gestor municipal.