terça-feira, 31 de março de 2015

Palmas deve ter BRT e ciclovia de 35 km

30/03/2015 - Via Trólebus

Projeto foi apresentado durante audiência pública na Câmara Municipal. Obra tem previsão de entrega de 4 anos
 
A cidade de Palmas, capital do Tocantins, deve ter um  serviço de Bus Rapid Transit (BRT). O projeto foi apresentado em audiência pública na semana passada na Câmara Municipal. A obra, orçada em R$ 500 milhões, está prevista para terminar em até quatro anos.
 
O prefeito Carlos Amastha diz que a estrutura deve utilizar o espaço do canteiro central da avenida Theotônio Segurado. Cada veículo deve transportar cerca de 200 passageiros. Serão aproximadamente 35 km desde o setor Santo Amaro, na região Norte, até o Taquari, na região sul, passando por dentro do setor Aureny III.
 
O sistema deve ter 28 estações, sete estações de integração e dois terminais, além de calçadas e ciclovias. O projeto apresentado pela prefeitura permite a integração com outras formas de transporte público e ainda melhora a circulação de pedestres e bicicletas.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Equipe da Seplan de Uberaba se reúne com Jaime Lerner para melhorar BRT

26/03/2015 - Jornal da Manhã - Uberaba


Em busca de soluções urbanísticas para a cidade, comitiva da Secretaria de Planejamento realizou visita técnica a Curitiba na semana passada. A equipe aproveitou a viagem para se reunir com o arquiteto Jaime Lerner, idealizador do projeto de sistema de transporte coletivo implantado em Uberaba.

Retornando da viagem, a subsecretária Maria Paula Meneghello conta que foi possível trocar experiências sobre a fase inicial de implantação do BRT com o projetista e também levantar ideias para aprimorar o planejamento local. "A conversa com o Jaime Lerner favoreceu a abertura de diretrizes para atuar no município, melhorando a lei de uso e ocupação do solo", adianta.

Meneghello destaca ainda que a visita permitiu à equipe vivenciar o funcionamento do BRT em Curitiba e conhecer as outras soluções implantadas na capital do Paraná. "Percebemos que o BRT é só uma das soluções que a cidade tem a oferecer. Quando o sistema começou a funcionar em Curitiba, a cidade tinha 300 mil habitantes. À medida que a população foi crescendo, a rede foi se expandindo e foram criados novos mecanismos", pondera.

Além dos projetos na área de trânsito e transporte coletivo, a subsecretária afirma que foram observadas intervenções de planejamento urbano, como os parques verdes e as soluções de macrodrenagem.

‘Não sabemos se entregaremos no prazo’, diz prefeito Artur Neto sobre Plano de Mobilidade

26/03/2015 - A Crítica - Manaus

O prefeito Artur Neto (PSDB) declarou, ontem, não estar com pressa para concluir o plano de mobilidade urbana de Manaus. O prazo para a conclusão do plano encerra em 21 dias – no dia 15 de abril. Caso isso não ocorra, o município fica impedido de receber recursos do Governo Federal, por meio da Lei da Política Nacional de Mobilidade Urbana.

"Se todas as cidades não entregarem o plano no dia tal, é porque Manaus não precisa entregar nesse dia. Se todas as cidades forem entregar no dia tal, óbvio que Manaus tem que entregar nesse dia. Mas tudo indica que o prazo será alargado por várias razões. Aqui, para nós, faltam audiências publicas para o plano, que é uma coisa teórica para se pôr em pratica", disse, ao ressaltar que o prazo "não é tão fatal assim". Segundo o prefeito da capital amazonense, o plano de mobilidade urbana precisa estar bem detalhado para não haver problemas futuros.

De acordo com ele, não há uma previsão específica de quando o projeto será encaminhado à Câmara Municipal de Manaus (CMM) para realização de discussões com a sociedade, análise e aprovação ou mudanças sugeridas pelos vereadores. "Nós não sabemos se [entregaremos] dentro desse prazo — a maioria das cidades não está cumprindo — estamos fazendo tudo para isso. Queremos fazer um bom plano", declarou.

O prefeito lembrou a parceria feita com o Estado e informou uma mudança significativa no trajeto do Bus Rapid Transit (BRT), inicialmente previsto para iniciar na Zona Leste. "Mas o traçado era errado, porque começava pelo corredor leste, propondo o avanço e desapropriações impossíveis, no segundo metro quadrado comercial mais caro de Manaus, que é o da [avenida] Grande Circular. Inviabilizaria a obra", afirmou.

Antes de revelar o novo traçado do sistema, Artur deu uma "cutucada" no ministro de Estado de Minas e Energia e ex-governador, Eduardo Braga (PMDB). "O então governador Braga falava em monotrilho, uma ideia totalmente tola. O BRT é uma boa ideia", afirmou. "Estamos completando o traçado, dentro do acordo que fiz com o governador [José] Melo. A gente quer começar pelo corredor norte. Já está corrigido o leste, prevendo menos desapropriações", completou.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Novo sistema de contratação amplia atraso na obra do BRT de São José dos Campos

25/03/2015 - O Vale - S.J.dos Campos

Leia: Após 5 meses, Carlinhos anula a licitação do BRT de São José dos Campos - O Vale - S. J. dos Campos

Mudança no modelo de contratação para as obras do BRT em São José vai atrasar ainda mais o empreendimento, já afetado por sucessivas revisões de cronograma.

A concorrência foi lançada em 13 de outubro de 2014, pela prefeitura, para contratar de uma só vez o projeto executivo e a empresa que construiria o sistema, que terá 51,14 quilômetros de extensão.

A previsão era de entrada em operação do primeiro trecho ainda em 2016.

Para tanto, a concorrência seria acelerada com o modelo de RDC (Regime Diferenciado de Contratação), que tem regras próprias e foi criado pelo governo federal para acelerar as obra da Copa do Mundo.

Mas a própria prefeitura desistiu desse modelo e suspendeu a licitação por tempo indeterminado em novembro do ano passado. Ainda não há prazo para que a concorrência seja relançada.

Mudança. O governo decidiu optar pela modelagem da Lei das Licitações (8.666), que exige certames separados para a contratação do projeto executivo e da construtora que fará a obra, que está avaliada em R$ 830 milhões, sendo R$ 800 milhões do governo federal e R$ 30 milhões da prefeitura.

Explicação. Até agora, contudo, o governo não informou claramente as razões de desistir do RDC. Informou apenas que o modelo gerou questionamentos das empresas participantes da concorrência.

O sistema de contratação por RDC é recente na administração pública e ainda gera questionamentos entre as próprias empresas concorrentes, disse a prefeitura, em nota.

Isso ficou demonstrado a partir do momento em que o edital para o Mobi [nome dado ao BRT em São José] foi lançado. Diante disso, a avaliação é de a licitação pela lei 8.666 será mais adequada para execução do projeto.

O que também vai atrasar a construção do BRT (Bus Rapid Transit, em português transporte rápido por ônibus) em São José é a exigência do projeto executivo da obra, que terá que ser contratado por licitação e precedido de um projeto básico, sob a responsabilidade da prefeitura.

Projeto. Em nota, o governo do PT confirmou que nem o projeto básico está pronto. O modelo de elaboração do projeto básico está sendo definido pela Secretaria de Obras.

Para o consultor Rogério Cavalcante, especialista em licitações públicas, a troca do regime diferenciado pela licitação tradicional irá dilatar o cronograma da obra em muitos meses, dependendo do processo de concorrência.

Ao abrir mão do RDC, a prefeitura sabe que terá que demandar um tempo bem maior para contratar o projeto pela Lei das Licitações, que exigirá dois certames, para o projeto e a obra em si, disse.

Entenda o caso

O projeto

O projeto do BRT foi anunciado pelo prefeito Carlinhos Almeida em novembro de 2013 em substituição ao VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), proposta inicial do governo para a área de mobilidade urbana. A ideia era aproveitar o financiamento de R$ 800 milhões liberado pelo governo federal para o projeto original

Contrato

Em julho do ano passado, a prefeitura assinou o contrato do empréstimo, a ser pago em 30 anos. O município deverá entrar com uma contrapartida de R$ 42 milhões

Concorrência

A concorrência para a construção do sistema foi lançada em outubro, mas acabou suspensa cinco dias antes da data de entrega das propostas

Prazos

A meta inicial da prefeitura era relançar a licitação ainda em 2014. Depois, janeiro de 2015. Hoje, ninguém se arrisca a estabelecer uma data. A prefeitura já admitiu, porém, que a obra não ficará pronta no atual governo

Para vereador, caso expõe falhas

A oposição aponta erros de gestão da Prefeitura de São José na condução do projeto do BRT, considerado pelo governo como o mais importante para a mobilidade na cidade.

Para o vereador Juvenil Silvério (PSDB), a demora em definir a contratação do projeto será prejudicial à cidade.

Ele disse que a prefeitura deveria ter tido um maior cuidado com o projeto antes de abrir a licitação, para depois suspendê-la sem nenhum prazo de reabertura.

Trata-se de uma obra complexa que exige todo um cuidado das equipes técnicas da prefeitura, afirmou.

Lançar a licitação e depois suspender o pleito causa uma má impressão no mercado. É medida de prefeitura com problemas de gestão, completou.

Na Câmara, Juvenil prometeu mobilizar a oposição para acompanhar a evolução do projeto em São José, especialmente a nova licitação.

Temos que acompanhar daqui da Câmara para ver como esse empreendimento será tratado na cidade, disse.


terça-feira, 24 de março de 2015

BRT Sul terá passagem de R$ 3 a partir de 28 de março

20/03/2015 - Agência Brasília

Integração continuará valendo; usuários pagarão apenas uma tarifa para utilizar o serviço. 

Itinerário será ampliado

Mariana Damaceno

Foto: Tony Winston/Agência Brasília
BRT Sul terá passagem de R$ 3 a partir de 28 de março
BRT Sul terá passagem de R$ 3 a partir de 28 de março
A partir de 28 de março, os cerca de 270 mil passageiros do sistema de transportes Eixo Sul (BRT Sul) pagarão R$ 3 pela viagem. O serviço liga as regiões administrativas do Gama, do Park Way e de Santa Maria ao Plano Piloto. Segundo o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans), a integração continuará valendo. Assim, para se locomover entre uma dessas três localidades e o Plano Piloto, os passageiros pagarão apenas uma passagem.

Quem mora longe do terminal do BRT (sigla para bus rapid transit ou ônibus de trânsito rápido) ainda poderá pegar umas das seis linhas alimentadoras no Gama ou uma das outras seis que operam em Santa Maria. A tarifa, nesses casos, será cobrada antes que o usuário chegue ao terminal do BRT. O DFTrans destaca ser necessário usar os cartões de bilhetagem automática, uma vez que, por não terem cobrador, as linhas não aceitarão outra forma de pagamento.

A passagem de R$ 3 valerá para todo o trajeto do BRT. Por exemplo, se o passageiro sair do terminal e precisar de outro transporte coletivo, terá duas horas para fazer a integração sem ter que pagar mais uma tarifa.

O governo gasta, em média, R$ 3,5 milhões por mês com o sistema do BRT, que começou a ser testado em 30 de junho passado, na chamada operação branca — sem cobrança de passagem. Em janeiro, quando passou a pagar à Viação Pioneira — empresa responsável pelos veículos — pela quantidade de passageiros, e não pelos quilômetros rodados, houve economia de R$ 1 milhão. Pagou R$ 3,9 milhões, contra os R$ 4,9 milhões que desembolsaria se o pagamento tivesse sido por quilômetro rodado.

Número maior de ônibus
O BRT Sul conta atualmente com cem ônibus de dois modelos: articulados ou alongados. Esse número, segundo o DFTrans, pode aumentar de acordo com a demanda, conforme o contrato com a Pioneira. Os articulados, que atuam na linha expressa, têm capacidade para 130 passageiros; os alongados, que atendem às linhas paradoras, para 90.
 
Com 30 quilômetros de vias exclusivas, o sistema oferece dois tipos de linha: uma expressa e outra paradora. A primeira só faz paradas nos terminais do BRT do Gama, de Santa Maria, do Park Way e no da Rodoviária do Plano Piloto. Transita, em grande parte do percurso, pelos corredores exclusivos e, no Plano Piloto, pelo Eixão Sul. A segunda — a paradora —, que também usa os corredores exclusivos, para ao longo de todo o trajeto. O trecho do Plano Piloto é feito pelos Eixinhos Leste e Oeste da Asa Sul.
 
Ampliação de itinerários

Em ação conjunta com o DFTrans, a Secretaria de Mobilidade trabalha para melhorar o serviço. Até abril, o BRT Sul ganhará duas novas linhas: uma em Santa Maria e outra no Gama, ambas do tipo paradora. No Gama, o novo itinerário começará na Rodoviária Central e seguirá pelo Setor Central antes de ir para o terminal do BRT. Em Santa Maria, haverá ônibus saindo também do Terminal Sul, na Quadra 401 da Avenida Alagados, além do terminal do próprio BRT. A iniciativa atende a um pedido antigo dos moradores das duas regiões administrativas.

ampliacao no itinerario do BRT sul Agencia Brasilia

BRT Sul terá passagem de R$ 3 a partir de 28 de março

BRT Sul terá passagem de R$ 3 a partir de 28 de março

BRT Sul terá passagem de R$ 3 a partir de 28 de março

BRT Sul terá passagem de R$ 3 a partir de 28 de março

BRT Sul terá passagem de R$ 3 a partir de 28 de março





Com obra do BRT atrasada, usuários sofrem com ônibus lotados em Olinda

24/03/2015 - G1 PE

As estações do corredor de ônibus BRT Norte-Sul são vistas ao longo de toda a PE-15, em Olinda. Mesmo assim, continuam vazias e de portas fechadas. Ainda com reparos para serem feitos, a maior parte dos pontos de embarque não foi inaugurada nos prazos estabelecidos pelo Governo Estadual. Por isso, quem anda de ônibus entre Igarassu e Olinda continua sofrendo em ônibus e paradas tradicionais lotados e sem nenhuma proteção, como mostrou o Bom Dia Pernambuco desta terça-feira (24).

Muitas vezes, os passageiros esperam os coletivos bem em frente às modernas estações de BRT. Eles até veem os ônibus rápidos passando pela avenida, mas nem tentam pedir parada, porque sabem que os veículos não param fora das estações específicas. Por isso, o jeito é esperar no sol, em pé, pelos ônibus tradicionais, que quase sempre chegam lotados. "É horrível, eles passam e não param", reclama a dona de casa Libânia Lima, que acha um absurdo o corredor não estar pronto depois de tanto tempo de obras. "Todos nós nos sentimos muito prejudicados", completa.

Hoje, apenas 11 das 26 estações que compõem o corredor estão funcionando. Em Olinda, o atraso é ainda maior. Somente três das nove estações construídas no município estão em operação. Por isso, a maior parte dos moradores da cidade ainda não sentiu os efeitos do BRT. Segundo a Secretaria das Cidades de Pernambuco, 180 mil passageiros deveriam utilizar o corredor Norte-Sul por dia. Hoje, no entanto, apenas 25 mil conseguem embarcar nas 11 estações que estão funcionando nos 33 quilômetros que ligam o Recife a Igarassu.

As outras 15 estações continuam com portas fechadas, esperando itens como faixas de pedestre, semáforos ou meio-fio. Elas começaram a ser construídas em janeiro de 2012 e deveriam funcionar antes da Copa do Mundo de 2014. No entanto, o cronograma atrasou e esse prazo foi estendido para julho de 2014. Depois, para dezembro do ano passado e fevereiro deste ano. Agora, o secretário executivo de Mobilidade Urbana do estado, Marcelo Bruto, garante que tudo ficará pronto em maio. "Até o final de maio, nós teremos a espinha dorsal do corredor Norte/Sul finalizada com 26 estações", diz.

Ainda segundo Bruto, três estações de Olinda – Sítio Histórico, Bultrins e Quartel – só precisam receber a sinalização de pedestres e devem entrar em operação nos próximos dez dias. "O principal fator que afeta o cronograma destas obras de mobilidade é o fato de serem obras executadas em áreas urbanas que são áreas aglomeradas e com uma grande presença de interferências de concessionárias de serviços públicos como dutos, gasodutos, linhas de distribuição de energia. E, para cada remoção desta, cada desapropriação que for feita, é um processo legal de levantamento de valores, negociação, contratação e obras mesmo e isso tem um efeito sobre os cronogramas das obras", explica o secretário.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Obras de túnel vão começar em abril

22/03/2015 -  Diário do Nordeste

Anteriormente previstas para terem início em março, as obras para a construção do túnel no cruzamento das Avenidas Engenheiro Santana Júnior e Padre Antônio Tomás começarão no próximo mês de abril, anunciou, ontem, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, por meio de sua página oficial na rede social Facebook. As intervenções também compreendem a implantação do corredor exclusivo para o transporte coletivo na Avenida Engenheiro Santana Júnior, viabilizando o funcionamento integral do sistema que interligará os terminais do Antônio Bezerra e do Papicu.

"A obra prevê a retirada dos semáforos com a construção de um túnel no cruzamento, corredor exclusivo de ônibus no canteiro central, novas paradas de ônibus, novas calçadas, ciclofaixas e áreas específicas para travessia segura de pedestres", afirmou o chefe do Executivo Municipal, por meio da rede social. O gestor também acrescentou que as intervenções irão "privilegiará usuários de transporte público, que ganharão mais tempo e conforto".

Prazo e investimento

Segundo informações da assessoria de imprensa da Prefeitura, o prazo para a conclusão das intervenções é de 16 meses. Ou seja, se não houver atrasos, as obras estarão concluídas em agosto de 2016.

O custo previsto é de R$ 25 milhões, a serem financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O prefeito Roberto Cláudio também disponibilizou no Facebook uma maquete eletrônica, por meio da qual é possível visualizar detalhes do projeto.

Passarelas

Na Av. Engenheiro Santana Júnior, serão construídas duas passarelas, localizadas nas proximidades das ruas Israel Bezerra e General Tertuliano Potiguar.

Espaços exclusivos para a travessia de pedestres também estarão localizados sobre o túnel que será erguido no cruzamento com a Av. Padre Antônio Tomás. O equipamento terá calçadas e receberá arborização.

Plano de tráfego

O titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinf), Samuel Dias, havia afirmado em janeiro que o órgão estava finalizando o plano de desvios de trânsito necessários para realizar a obra, juntamente à Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC). Entretanto, a Prefeitura ainda não divulgou detalhes do esquema de tráfego.

Essa será a última grande intervenção dentro do programa de obras para a implantação do corredor exclusivo para ônibus, que também incluiu a requalificação dos terminais do Papicu e Antônio Bezerra e das avenidas Humberto Monte, Domingos Olímpio, Antônio Sales, Engenheiro Santana Júnior e Bezerra de Menezes. No corredor, circula a Linha 222 desde novembro do ano passado, composta por ônibus articulados, com capacidade para transportar 150 passageiros.

Bezerra de Menezes

A operação integral do corredor exclusivo também depende da conclusão dos trabalhos na Bezerra de Menezes, em andamento desde o ano passado.

Na via, estão sendo construídas dez estações de embarque e desembarque de passageiros dos coletivos, localizadas no canteiro central. O secretário Samuel Dias havia informado em janeiro que 80% da intervenção já haviam sido concluídos, e a expectativa de entrega era de até o fim deste mês de março.

Roberto Cláudio também já havia anunciado a estruturação de dois novos corredores exclusivos para o transporte público: Fernandes Távora/Expedicionários e Augusto dos Anjos/José Bastos. Conforme o gestor, as duas obras estão em processo de licitação e o início dos trabalhos também deve ocorrer em abril.

Para instalar os sistemas, será necessário realizar o alargamento da Av. Augusto dos Anjos e requalificar a Av. José Bastos. Já na Fernandes Távora, serão executados serviços de drenagem, e pavimentação e padronização das calçadas.

BRT Sul passará a cobrar passagem a partir do próximo sábado no DF

23/03/2015 - Portal R7 - DF

O DFTrans (Transporte Urbano do Distrito Federal) anunciou na última sexta-feira (20) que cobrará, a partir do próximo sábado (28), R$ 3 pela viagem no sistema de transportes Eixo Sul (BRT Sul). O serviço liga as regiões administrativas do Gama, do Park Way e de Santa Maria ao Plano Piloto. São cerca de 270 passageiros que usam esse meio de transporte diariamente na cidade.

O órgão garante que a integração continuará valendo. Desta forma, para se locomover entre uma dessas três localidades e o Plano Piloto, os passageiros pagarão apenas uma passagem.

Quem mora longe do terminal do BRT (sigla para bus rapid transit ou ônibus de trânsito rápido) ainda poderá pegar umas das seis linhas alimentadoras no Gama ou uma das outras seis que operam em Santa Maria. A tarifa, nesses casos, será cobrada antes que o usuário chegue ao terminal do BRT. O DFTrans destaca ser necessário usar os cartões de bilhetagem automática, uma vez que, por não terem cobrador, as linhas não aceitarão outra forma de pagamento.

A passagem de R$ 3 valerá para todo o trajeto do BRT. Por exemplo, se o passageiro sair do terminal e precisar de outro transporte coletivo, terá duas horas para fazer a integração sem ter que pagar mais uma tarifa.

O GDF informou que, atualmente, é pago em média R$ 3,5 milhões por mês com o sistema do BRT, que começou a ser testado em 30 de junho passado, na chamada operação branca — sem cobrança de passagem. Em janeiro, quando passou a pagar à Viação Pioneira — empresa responsável pelos veículos — pela quantidade de passageiros, e não pelos quilômetros rodados, houve economia de R$ 1 milhão. Pagou R$ 3,9 milhões, contra os R$ 4,9 milhões que desembolsaria se o pagamento tivesse sido por quilômetro rodado.

Dilma autoriza a construção do BRT de Goiânia

20/03/2015 - Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff assinou nesta tarde em Goiânia a ordem de serviço para o início das obras de um corredor exclusivo para ônibus. A cerimônia ocorreu na prefeitura da capital goiana, para onde foi convocado um panelaço contra a presidenta pelas redes sociais.

Ao lado do governador de Goiás, Marconi Perilo (PSDB), do prefeito Paulo Garcia (PT) e do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, Dilma formalizou o início das obras do BRT (Trânsito rápido de ônibus, na sigla em inglês).

Segundo ela, embora seja uma cidade planejada, Goiânia cresceu e agora precisa enfrentar os desafios de uma cidade grande. "Se tem uma coisa que é valioso é o tempo; o transporte rápido significa que você domina o seu tempo, pode usar para cultura, lazer".

Para a presidenta, é preciso que o governo garanta a locomoção das pessoas. "Ele [o BRT] mudará a articulação do transporte daqui de Goiânia", disse, acrescentando os benefícios para a cidade.

O corredor de ônibus terá 21,8 quilômetros de extensão; vai percorrer 148 bairros da capital e da cidade vizinha Aparecida de Goiânia. Serão beneficiados 120 mil usuários por dia, de acordo com a prefeitura. Em horários de maior movimento, a capacidade de transporte será 15 mil passageiros.

As empresas terão 30 dias para iniciar as obras, a partir do recebimento da ordem de serviço. O prazo para a conclusão do empreendimento é um ano e oito meses, ou seja, a previsão é que esteja finalizado até o fim de 2016.

Serão gastos R$ 340 milhões na implantação do BRT, sendo R$ 210 milhões do governo federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento Mobilidade Urbana e R$ 130 milhões recursos municipais.

Este foi o quarto evento oficial da presidenta Dilma depois das manifestações que levaram milhares de pessoas às ruas em todas as regiões do país. As três primeiras ocorreram em eventos no Palácio do Planalto, em Brasília. 

Obras do BRT Goiânia (GO) devem iniciar em 30 dias

23/03/2015 - Agência CNT de Noticias

Até a primeira quinzena de abril devem ter início duas frentes de trabalho para a construção do BRT (Bus Rapid Transit), em Goiânia (GO). A obra receberá R$ 340 milhões
 
Natalia Pianegonda

O corredor terá 21,8 quilômetros Norte-Sul e atenderá, de forma direta, 148 bairros da cidade com capacidade para transportar 120 mil pessoas por dia. A projeção é que o BRT fique pronto em dois anos e a meta é que, quando concluída, a nova alternativa de transporte reduza o tempo de viagem e as emissões de gases poluentes, além de retirar parte dos veículos que circulam diariamente pelas ruas da cidade.
 
Conforme dados apresentados pela prefeitura, somente entre janeiro e julho do ano passado, mais 20 mil veículos foram incorporados à frota de Goiânia, que já conta com mais de 1,1 milhão de unidades. Em média, são 257 novos carros ou motos transitando pelas ruas da cidade todos os dias.
 
O custeio é proveniente de do Pacto pela Mobilidade, lançado pelo governo federal em 2013, com contrapartida do município. No orçamento total, estão incluídas 65 desapropriações de imóveis que serão necessárias à implantação da via exclusiva para ônibus, investimentos em Tecnologia da Informação, supervisão da obra do BRT e reestruturação da sinalização viária adjacente.
 
De acordo com a NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos), existem 61 projetos de BRT em implantação no Brasil.