sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Secretário diz que novo edital do BRT atende às normas do TCE e será publicado em 15 dias

19/11/2015 - Diário de Sorocaba

O novo edital de licitação do Sistema Bus Rapid Transit (BRT) agora está completo e atende a todas as exigências do Tribunal de Contas do Estado (TCE), em relação ao formato de concessão, garantiu nesta quarta-feira (18) o secretário de Planejamento e Gestão, Edsom Ortega, durante audiência pública na Prefeitura.

Na ocasião, o presidente da Urbes-Trânsito e Transporte, Renato Gianolla, destacou os benefícios do BRT para a população, apontou toda a infraestrutura prevista, os aspectos jurídicos e econômicos para a implantação. Ainda para Ortega, é importante que a população acesse a minuta do edital, que estará á disposição até dia 26 no site (sorocaba.sp.gov.br).

Durante esses cinco dias úteis, a população poderá fazer sugestões ou questionamentos sobre qualquer item. "O edital, inclusive com os ajustes complementares que possivelmente forem acrescentados com as informações coletadas nesta audiência, deverá ser publicado na primeira quinzena de dezembro”, disse o secretário.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Primeiro trajeto do BRT de Jundiaí avança

13/11/2015 - Tribuna de Jundiaí

O primeiro encontro oficial para discutir desapropriações no trajeto por onde vai passar o Corredor Colônia-Centro do Transporte Rápido por Ônibus (BRT, sigla em inglês para Bus Rapid Transit) foi feita na manhã desta quinta-feira (12), na Secretaria de Transportes, no Paço Municipal.

A conversa reuniu os secretários: de Transportes, Wilson Folgozi, de Obras, José Roberto Aprillanti Júnior, e de proprietários de imóveis na avenida Américo Bruno, na Ponte São João, e na avenida dos Imigrantes Italianos com a rua João Victor Atisani, no Jardim Tamoio.

Ao menos outras duas reuniões estão agendadas ainda para este ano com outros dois grupos, formados por donos de bens com desapropriações previstas ao longo da extensão do percurso de 4,5km, que liga o Terminal Colônia à Praça Ruy Barbosa.

De acordo com o secretário de Transportes, Wilson Folgozi, o objetivo de encontros é obter a autorização formal dos proprietários para que equipes especializadas possam fazer a análise de topografia e levantar as medidas exatas das áreas e eventualmente de edificações já construídas. Só depois disso vai ser possível falar sobre valores.

"Foi uma reunião das mais positivas. É claro que falar em desapropriação é sempre delicado, mas todos sinalizaram positivamente para a execução da obra”, comentou Folgozi.

O secretário de Obras, Aprillanti Júnior, disse que a partir da assinatura da autorização para que os trabalhos de análise de recursos topográficos sejam feitos, o prazo para o início das negociações é bem rápido. "Acredito que em até um mês temos todos os detalhes dos imóveis”, comentou.

BRT

A reunião desta quinta-feira (12) teve início com a apresentação dos benefícios que a instalação do BRT vai trazer à população de Jundiaí, a primeira cidade de porte médio do País a oferecer essa moderna proposta de transporte. Vídeos com corredores já em funcionamento em municípios do Brasil e do mundo foram mostrados ao grupo de proprietários.

"O BRT garante ao usuário de ônibus conforto, segurança e eficiência. É um meio de transporte de sucesso em todos os lugares onde foi implantado”, enfatizou Folgozi. "Sem contar que é uma obra que vai trazer maior mobilidade no trânsito, com o fim de gargalos em alguns pontos críticos da cidade”, completou Aprillanti Júnior.

Capitais como Curitiba, pioneira neste segmento de transporte público, Rio, Fortaleza, Recife, Belo Horizonte e Brasília foram citadas como exemplos de sucesso dos serviços oferecidos pelo BRT. "Em Bogotá, na Colômbia, o BRT projetado por brasileiros transformou a cidade”, lembrou Folgozi.

O Corredor Terminal Colônia-Centro vai ter 5 estações de embarque e desembarque, 3 de transferência, 3 obras de arte (viadutos), além de obras de construção, ampliação e adequação dos terminais Colônia e Vila Arens. Três quilômetros é meio de ciclovia também fazem parte do projeto.

O investimento é de R$ 135,1 milhões, sendo que R$ 106,6 milhões são recursos do governo federal por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). O restante do montante (R$ 28,5 milhões) é a contrapartida que cabe à Prefeitura.

"Conheço Curitiba e o serviços do BRT. Toda proposta que traz o bem-estar à população merece elogio. Só temos que aplaudir uma obra desse porte numa cidade como Jundiaí”, elogiou Tranquilo Sacramone, um dos donos de imóveis.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Prefeitura de Palmas transfere licitação de BRT para dezembro

28/10/2015 - Jornal do Tocantins

Alegando necessidade de dar mais transparência ao processo licitatório do sistema de Bus Rapid Transit (BRT), a Prefeitura de Palmas optou por adiar a data da licitação. Segundo o secretário municipal de Acessibilidade, Mobilidade, Trânsito e Transporte (SMAMTT), Christian Zini, a previsão de nova abertura das propostas é para a primeira quinzena de dezembro.

"Adiamos porque recebemos muitos pedidos de informação, pessoas com dúvidas simples da execução do projeto. Não tivemos nenhuma impugnação”, explicou Zini. Segundo ele, por ser um projeto de Regime Diferenciado de Contratação (RDC), o interessado em participar do processo licitatório precisa saber exatamente o que o projeto contempla, para então formatar uma proposta de preço.

"O RDC não permite aditivo contratual. Então, as empresas precisam ter suas planilhas de forma correta, bem feita, para que não tenham prejuízo na execução da obra”, disse. Apesar do adiamento, o cronograma de execução continua sendo o mesmo, ou seja, três anos após o processo licitatório.

Questionado se o adiamento teve relação com a decisão judicial, no mês passado, que bloqueava os recursos da Caixa Econômica Federal voltados ao projeto, Zini enfatizou que não. "Como é uma obra muito grande, ela não pode correr o risco de não acontecer. É uma obra que o recurso está garantido, o projeto foi aprovado da melhor forma possível pelos técnicos do Ministério das Cidades”, disse.

A data da nova licitação ainda não foi definida devido ao tipo de contração do projeto, uma vez que o RDC exige que a publicação seja feita com 30 dias úteis de antecedência. A modalidade de licitação será por meio de pregão eletrônico, através de um banco oficial (Banco do Brasil). O vencedor será aquele que der o menor lance, além de ter os documentos analisados em cumprimento ao edital.

MPF

A procuradora da República Renata Ribeiro Baptista, que propôs uma Ação Civil Pública (ACP) pedindo a suspensão da licitação para a implantação do corredor BRT por supostos vícios nos atos administrativos, explicou que o Ministério Público Federal (MPF) não influenciou na decisão de alteração da data, mas que está acompanhando o processo de licitação e as impugnações que surgirem. Segundo ela, a ACP foi necessária, uma vez que "foi diagnosticado, por análise técnica do MPF, que o tipo de BRT, que é o mais completo, não tem racionalidade econômica, porque não tem demanda suficiente para manter esse sistema. E, enquanto essa demanda que a Prefeitura informa não se concretiza, gera aumento de tarifa e um aporte desnecessário, pelo menos irracional do serviço público”.

Ainda de acordo com a procuradora, todo o valor previsto para o BRT não envolve modernização da frota, mas somente a infraestrutura física. "Essa equação mostra que esse projeto talvez esteja superdimensionado” concluiu.

Justiça

Apenas o processo licitatório foi autorizado pelo juiz federal Adelmar Aires Pimenta da Silva, em decisão interlocutória publicada no último dia 2, a respeito da ação proposta pelo MPF. Já o repasse de recursos financeiros foi proibido, sob pena de multa.

Na decisão, o magistrado informou que "a suspensão da licitação, entretanto, seria uma medida drástica e que não se apresenta como necessária por que a continuidade do certame”. E que a medida cautelar deve ser concedida em menor extensão, apenas para impedir o desembolso financeiro de recursos da União até a realização da prova pericial.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Londrina substituirá BRT por BHLS (Bus with High Level of Service)

20/10/2015 - Bonde News

Na proposta, a prefeitura substitui BRT por BHLS (Bus with High Level of Service): "O princípio do BHLS é baseado nas melhorias de qualidade típicas de um sistema BRT, tais como rapidez, conforto regularidade e imagem, mas sem construção de canaletas exclusivas segregadas e dispensando obras de infraestrutura pesada. O conceito europeu de BHLS associa este modo de transporte à frequência, velocidade, qualidade e integração com o ambiente urbano, através da articulação coerente de três características fundamentais: a infraestrutura, os veículos e as condições operacionais", argumenta o Executivo na justificativa anexada ao projeto de lei. 

Em Londrina, conforme a prefeitura, a implantação do novo sistema, voltado para demandas entre 20 mil e 30 mil passageiros por dia, "fará uso principalmente da infraestrutura de avenidas (já) existentes, em corredores dispostos nos principais eixos que cruzam a cidade". "Desta forma é possível dotar o transporte regular de um serviço de elevada qualidade, com prioridade, redução do tempo de viagem, flexibilidade, capacidade de resposta e custos mais econômicos ajustados às condições urbanas", observa o Executivo no projeto. 

Na avaliação da prefeitura, o projeto antigo de mobilidade urbana, que tinha o BRT no epicentro, poderia aumentar ainda mais os custos do município com a manutenção do sistema. Já o modelo atual, ainda conforme o Executivo, poderá modernizar o transporte coletivo, aumentar a qualidade do serviço oferecido e, consequentemente, atrair mais usuários. 

As mudanças também diminuíram os custos previstos para a execução de obras. O sistema BRT, por exemplo, previa a construção de sete viadutos em Londrina. Já o BHLS, por meio do Superbus, aponta para a necessidade de apenas três viadutos. 

As alterações, conclui a prefeitura, também já foram autorizadas pelo próprio Ministério das Cidades, órgão responsável pela liberação dos recursos necessários para as obras, e que não constatou nenhum "óbice quanto à revisão do escopo do empreendimento, visto que a proposta preserva o mesmo modo de transporte (por ônibus) e atende a mesma área de intervenção da proposta inicialmente selecionada (promovendo as ligações das regiões Leste/Oeste e Norte/Sul), inclusive com ampliação do número de pessoas beneficiadas (de 80 mil para 130 mil passageiros por dia". 

As obras do Superbus estão orçadas em R$ 125 milhões.

Por Guilherme Batista
Informações: Bonde News

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

São José dos Campos recebe 16 propostas de empresas para implantação do BRT

07/10/2015 - Prefeitura de São José dos Campos

Três empresas e 13 consórcios estão na disputa para executar as obras do Mobi – sistema de transporte público de massa com o uso de BRT (Bus Rapid Transit) que a Prefeitura vai implantar em São José dos Campos.

Os concorrentes participaram na tarde desta terça-feira (6) da sessão pública de entrega e abertura dos envelopes de pré-qualificação ao certame, que irá definir o nome das empresas habilitadas a disputar a próxima fase da licitação, com apresentação das propostas comerciais.

Conforme edital publicado pela Prefeitura, a licitação foi dividida em dois lotes distintos e todos os participantes se inscreveram para ambos os lotes. “Isso demonstra, entre outras coisas, a credibilidade do certame junto ao mercado. As empresas ou consórcios se apresentaram, porque têm confiança no processo e querem executar esta obra, que nós pretendemos dar início em janeiro do próximo ano”, disse o secretário de Obras.

Durante a sessão desta terça-feira (6), toda a documentação entregue pelas empresas foi conferida e rubricada pela Comissão de Licitação de Obras de Engenharia e por cada um dos representantes das empresas presentes.

Agora, a comissão irá analisar a documentação entregue. Não há prazo legal para a conclusão da análise, mas a expectativa é de que a relação das habilitadas possa ser divulgada em cerca de 30 dias. Após o cumprimento dos prazos de recurso, as empresas aptas receberão o credenciamento e serão chamadas para apresentar proposta comercial, conforme novo edital, a ser divulgado pela administração.

As empresas e consórcios inscritos são:

Consórcio HFTBC – BRT MOBI
Consórcio Construcap – COMSA
Andrade Gutierrez Engenharia AS
Consórcio BRT 001 – SJC
Consórcio Carioca/Ferrovial
Serveng – Civilsan S.A.
Consórcio BRT-FCE
Construtora Queiroz Galvão AS
Consórcio Ferreira Guedes – Paulitec – Ttrans
Consórcio Via – CR Almeida
Odebrecht Engenharia e Construção Internacional AS
Consórcio AAT – BRT
Consórcio Cappellano, WVG e Cronacon
Consórcio JTC – Corredor BRT
Consórcio Mobilidade BRT São José dos Campos
Consórcio EDE-BRT

Lotes

A empresa vencedora do Lote 1 vai construir os dois corredores que atenderão a zona Sul (Andrômeda e Bacabal), além de ser responsável pelo desenvolvimento e implantação do sistema de gerenciamento que irá controlar o fluxo dos veículos do Mobi. Este lote terá o valor referencial de R$ 427 milhões.

O Lote 2 vai englobar todos os demais corredores, incluindo as avenidas dos Astronautas e Juscelino Kubitschek, o corredor Santana e os três corredores que atenderão o centro. Este segundo lote terá o valor de referência de R$ 373 milhões.

Mobi

No Mobi, os ônibus vão trafegar em canaleta segregada, com uma extensão aproximada de 51 quilômetros em todas as regiões da cidade. Também serão construídas estações que permitam a cobrança externa, para tornar mais rápido o acesso dos passageiros e aumentar velocidade operacional.

O sistema conta ainda com monitoramento centralizado, ônibus com GPS, semáforos inteligentes para passagem preferencial aos coletivos, integração com o sistema de transporte público e informações em tempo real ao usuário. Esse sistema tem sido adotado em cidades de médio porte para o transporte rápido de massa.

Informações: Prefeitura de São José dos Campos

domingo, 11 de outubro de 2015

BRT da RJ-104 trará benefício para 200 mil

11/10/2015 - O Fluminense


Um dos mais esperados projetos de mobilidade urbana para a Região Metropolitana do Estado do Rio está perto de sair do papel. A implantação do Bus Rapid Transit (BRT) que ligará Niterói a Manilha através de um corredor exclusivo, cortará a Avenida Feliciano Sodré, no Centro, passando pela Alameda São Boaventura, no Fonseca, e percorrendo toda a RJ-104. Terá 29,6 km de extensão, 6 terminais e 36 estações. Segundo o secretário estadual de Transportes, Carlos Osório, o projeto prevê 120 ônibus articulados com capacidade para receber até 200 mil passageiros por dia. No projeto apresentado na última semana pelo Governo do Estado e pelo Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj) durante o Seminário Caminhos da Mobilidade Urbana, na Universidade Candido Mendes, o BRT que sairá no Terminal João Goulart terá integração com linhas de ônibus municipais e barcas na Estação Arariboia. Já no Ponto Cem Reis, o Terminal Santana será feito na altura da Ponte Rio-Niterói e haverá integração com ônibus intermunicipais.

Já no terceiro terminal, que será construído no Baldeador, haverá integração com ônibus do município de Niterói. No quarto terminal, que será feito em Tribobó – já em São Gonçalo – haverá integração com os ônibus que passam pela RJ-106, em Maricá. O projeto prevê ainda a construção de dois terminais, sendo um em Alcântara, integrando com ônibus municipais de São Gonçalo e outro em Manilha, que se integrará com ônibus que passam pela BR-101 (Itaboraí, Tanguá e Rio Bonito).

"As estações dos corredores serão de dois tipos: bidirecionais e unidirecionais, uma vez que em todas as estações haverá faixa de ultrapassagem. Com a implantação dos terminais, a princípio, haverá apenas a relocação do posto da Polícia Rodoviária e o pátio de carros apreendidos localizados na altura do Trevo de Tribobó para um terreno em frente ao Instituto Médico Legal (IML). O espaço onde hoje funcionam esses serviços dará lugar ao terminal com a integração dos ônibus que passam pela RJ-106”, contou Carlos Osório.

Eunice Horácio, gerente de Mobilidade Urbana da Fetranspor, defendeu a implantação da construção do BRT. Segundo ela, se o metrô da Linha 3 hoje custa aos cofres públicos cerca de R$ 5 bilhões, com o transporte articulado o custo dos dois corredores (Niterói x Manilha e Niterói x AlcÂntara) sairia por R$ 1,5 bilhão.

No projeto apresentado pela gerente no Seminário serão 120 ônibus articulados que atenderão 1,6 milhão de pessoas nos municípios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. O tempo estimado de intervalo entre as viagens será de apenas dois minutos, considerado o grande diferencial para a aceitação dos moradores dos três municípios em pesquisa de opinião realizada recentemente a pedido da Fetranspor.

"Segundo o resultado dessa pesquisa, feita pelo Instituto Informa entre maio e junho deste ano, o BRT teve uma aceitação de 95% dos mil entrevistados, entre usuários e não usuários de ônibus. Isso nos mostra a necessidade de implantação do corredor exclusivo e o quanto o BRT vai ser importante para milhares de usuários”, disse Eunice.

Ainda de acordo com o projeto apresentado por Eunice, na estação do terminal de Tribobó há a previsão da expansão futura do sistema BRT sentido Maricá, na altura do trevo. O projeto para a implantação ainda é embrionário, porém, em vias de ser desenvolvido no início do ano que vem, segundo informou a gerente.

Uma outra proposta de corredor que ligaria Niterói a Alcântara apresentada pelo Setrerj, durante o seminário, sairia com custos mais baixos (R$ 764 milhões). A demanda diária de passageiros prevista seria de 146 mil passageiros e teria 18 km de uma extensão total de corredor. O número de veículos articulados seria de 78, atendendo apenas dois municípios (Niterói e São Gonçalo).

"A estimativa de custos da Rede de BRT do Leste Metropolitano incluindo obras, desapropriações e infraestrutura compartilhada seria de R$ 1,5 bilhão. O prazo de planejamentos e projetos é de 18 meses. Já o prazo para as obras é de 24 meses, a partir do início das intervenções”, revelou Eunice Horácio.

Vantagens – Os BRTs já existentes hoje (Transoeste e Transcarioca) reduziram drasticamente o tempo de viagem dos cariocas, segundo estudos apresentados pelo Governo do Estado, onde moradores que se deslocavam da Barra da Tijuca até a Ilha do Governador reduziram o tempo de viagem em até 60%. O objetivo é fazer o mesmo para os moradores da Região Metropolitana, como solução para desatar o nó das grandes cidades.

"Pesquisas mostram o quanto o sistema de BRT foi importante para os moradores. Em grandes cidades onde a velocidade média durante a semana é de 30 km/h, com o BRT esse tempo aumenta, já que teremos menos carros nas ruas. O tempo de implantação do projeto é menor do que o metrô, os custos são menores e o resultado é o ganho em tempo e qualidade de vida de quem usufrui desse serviço”, enumerou superintendente do Setrerj Márcio Coelho Barbosa.

Como característica, todo sistema BRT tem um corredor exclusivo e segregado na faixa da esquerda, permitindo, pelo menos, ultrapassagem nas estações e minimização da interferência com o tráfego geral, aumentando velocidade operacional dos serviços; estações de plataforma elevada para embarque e desembarque em nível com os veículos, reduzindo o tempo de acesso e egresso dos usuários aos veículos.

O pagamento de tarifa e validação do bilhete na entrada das estações e terminais visam minimizar o tempo de embarque/desembarque dos passageiros. Além disso, há um padrão da utilização de veículos de alta capacidade, que são os ônibus articulados de 21 a 23 metros com capacidade de até 180 passageiros e com porta à esquerda para os serviços troncais, que operam no corredor.

Outra vantagem levantada por especialistas e ambientalistas é que a implantação do BRT diminui a emissão de monóxido de carbono (CO) em até 87%; o de hidrocarbonetos (HO) em até 81%; a emissão de material particulado (MP) em 95%, além da comercialização de créditos de carbono, menos ruído e inserção adequada ao ambiente urbano.

"Uma ação como essa também contribuiria para a economia de energia e a redução da poluição atmosférica, especialmente se for priorizada a implantação de sistemas que ofereçam melhor qualidade e com tecnologias limpas”, informou por meio de nota a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU).

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Governo federal suspende repasse para obras do BRT de Feira de Santana

01/10/2015 - G1

Denúncias de irregularidades levaram o Ministério das Cidades a suspender o repasse de dinheiro para as obras do BRT de Feira de Santana, cidade a 100 quilômetros de Salvador. O sistema está sendo financiado com dinheiro da Caixa Econômica Federal. As obras do sistema de transporte rápido de ônibus começaram há dois meses.

Serão três estações de transbordo principais e outras menores. Os ônibus vão passar por linhas exclusivas nas Avenidas Getúlio Vargas e Maria Quitéria. A prefeitura estima que cerca de 48 mil usuários serão transportados por dia e que o tempo de circulação reduza à metade. Um canteiro de obras chegou a ser montado na avenida Maria Quitéria, mas o serviço não começou ainda porque o espaço foi ocupado por manifestantes.

Desde o início, o projeto para implantação do BRT encontra dificuldades na execução. A Defensoria Pública e o Ministério Público já entraram na Justiça para tentar impedir o andamento da obra.

A prefeitura recorreu e o Tribunal de Justiça da Bahia decidiu por manter o cronograma normal. Mas, em menos de um mês, o Ministério das Cidades anunciou que iria pedir a suspensão dos repasses. A justificativa seria apurar denúncias de irregularidades do projeto.

Na quarta-feira (30), a Caixa Econômica Federal informou a prefeitura que as verbas foram suspensas, atendendo a solicitação do governo federal.

Até o momento foram repassados para a prefeitura apenas R$ 120 mil dos quase R$ 90 milhões do empréstimo que a prefeitura tomou junto a Caixa. O secretário de Planejamento, Carlos Brito, disse que o MInistério das cidades não fez nenhum questionamento até o momento ao governo municipal e que a prefeitura está pronta para prestar todos os esclarecimentos.

"Nós estamos fazendo ações junto ao Ministério das Cidades para que eles possam nos esclarecer o que é que está diferente, porque o projeto foi validado, volto a repetir, de uma maneira responsável e competente pela Caixa Econômica Feral", conclui.

Liminar negada

No dia 10 de setembro deste ano, o juiz Gustavo Hungria, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Feira de santana, negou o pedido de liminar feito pela Defensoria Pública e do Ministério Público Estadual, em 14 de agosto, para suspender as obras do BRT.

Em julho, a construção parou durante nove dias, após a Justiça aceitar o argumento de que o transporte não atende às necessidades da população carente e resulta em impacto ambiental, por conta da retirada de árvores. Além de suspender as obras, a ação pedia também que fosse elaborado o plano diretor do município, a anulação do contrato entre a prefeitura e a construtora que vai fazer a obra e a cassação da licença ambiental.

Na decisão, o juiz entendeu que o assunto já tinha sido julgado favorável à prefeitura pelo Tribunal de Justiça da Bahia em outra ação movida pelos defensores públicos. Na mesma decisão, o juiz determinou que a prefeitura apresente dentro de 15 dias o plano para a retirada de árvores da Av. Getúlio Vargas. A prefeitura argumentou que cumpriu todas as normais técnicas e ambientais para a construção do BRT.

Impacto ambiental
Cerca de 110 árvores serão retiradas da Avenida Getúlio Vargas, em Feira de Santana, por conta das obras do sistema de Bus Rapid Transit (BRT), disse ao G1 o secretário municipal de Planejamento, Carlos Brito. A situação tem gerado uma série de protestos entre os moradores. Em 17 de agosto, um grupo se reuniu em frente à sede da prefeitura em manifestação em prol das árvores.

O secretário de Planejamento disse que o projeto de construção do BRT mantém mais de mil árvores na avenida e as que serão retiradas vão ser plantadas novamente em outros locais. O secretário afirmou que a prefeitura tem “consciência” de que age dentro da legalidade na execução das obras. Carlos Brito salientou que o projeto do BRT já foi aprovado em 2012 pelo Ministério das Cidades. A obra está orçada em cerca de R$ 90 milhões e deve gerar 1600 empregos diretor e indiretos.

Os detalhes do projeto

A obra tem previsão de investimentos na ordem de R$ 87 milhões e inauguração em janeiro de 2017. A ordem de serviço foi assinada e garantiu o primeiro tipo de transporte do tipo no estado. Salvador tem projeto parecido, mas o edital de licitação está parado desde março.

Em Feira, de acordo com o secretário municipal de Planejamento, Carlos Martins, o BRT prevê a construção de três novas estações de ônibus, além das três já existentes (Norte, Sul e Centro).

Os novos espaços serão construídos no bairro da Pampalona, como também nas Avenidas Noide de Cerqueira e Ayrton Senna. Conforme o projeto, as três estações serão interligadas por meio de dois corredores: João Durval, com 4,8 quilômetros de extensão, e o Getúlio Vargas, com 4,45 quilômetros. Também estão previstas as implementações de outras cinco estações de ônibus menores ao longo da Avenida Getúlio Vargas.

Ao todo, estão previstos 20 ônibus especiais com acessibilidade para pessoas com deficiência, GPS, ar-condicionado e capacidade para atender até 100 passageiros, por viagem. A perspectiva é que sejam atendidas cerca de 48 mil usuários por dia.

Informações: G1 BA, com informações da TV Subaé

Governo federal libera R$ 340 milhões para BRT de Campinas

01/10/2015 - Portal Brasil

O governo federal autorizou a liberação de R$ 340 milhões dos R$ 540 milhões para o projeto do BRT, em Campinas (SP), por meio do Ministério das Cidades. Os outros R$ 200 milhões serão objeto de uma nova carta consulta para financiamento junto à linha de crédito Pró-Transporte. Campinas tenta implementar os corredores de BRT desde 2001. A prefeitura enviou os projetos ao Ministério das Cidades dentro do PAC da Mobilidade Grandes Cidades.


A prefeitura da cidade irá executar o projeto em duas fases, ao priorizar a implantação do corredor Campo Grande, a estação de transferência Campos Elíseos e a perimetral que ligará este corredor à estação.

O Corredor Ouro Verde ficará para a segunda fase que terá audiência para licitação do projeto executivo e obra. A opção pelo Campo Grande deve-se à necessidade de dotar aquela região de um transporte público de média capacidade. São 17,8 km de extensão saindo do Centro, seguindo pelo leito desativado do antigo VLT, John Boyd Dunlop e chegando ao Terminal Itajaí. Junto com ele, será construída uma perimetral com 4 km de extensão, ligando a Vila Aurocan até Campos Elíseos, seguin­do pelo leito desativado do VLT.

A Caixa Econômica Federal já aprovou o projeto básico de custos que elevou de R$ 340 milhões para R$ 540 milhões os custos de implantação do projeto. O encarecimento ocorreu por três motivos: o primeiro é que o orçamento anterior havia sido feito em cima de estimativa de custo e não de projeto; o segundo é que a necessidade de obras de arte (pontes, viadutos) foi superior ao estimado inicialmente e o terceiro foi que a prefeitura resolveu aplicar outra técnica de pavimento no corredor, com piso rígido de concreto em toda a extensão.

A curto prazo, não haverá dinheiro para os dois corredores. Então, mudanças farão com que os BRTs tenham uma única chegada à área central — virão pela avenida John Boyd Dunlop, pelo leito desativado do extinto VLT, passarão pelo Terminal Ramos de Azevedo e chegarão à estação de transferência na região do Mercado Municipal.

A prefeitura decidiu fazer os corredores Campo Grande e Ouro Verde para biarticulados, construir interligações entre os corredores, reformar e construir mais uma faixa de trânsito no Viaduto Cury e implantar uma nova avenida, com corredor de ônibus, no antigo leito da Companhia Mogiana de Estrada de Ferro ligando a Rodovia D. Pedro ao Guanabara.

Em Campinas, o governo federal, por meio do Ministério das Cidades, tem, desde 2003, uma carteira de investimentos no valor de R$ 3,64 bilhões, sendo que somente para mobilidade urbana, o montante é de R$ 1,09 bilhão.

Informações: Portal Brasil

domingo, 27 de setembro de 2015

Prefeitura de Belém fecha acordo de R$ 67,6 mi para o BRT

26/09/2015 - O Liberal - PA

O prefeito Zenaldo Coutinho assinou, ontem à tarde, convênio com a Caixa Econômica Federal, para o repasse de recursos que darão seguimento às obras e serviços do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O financiamento, no valor de R$ 67,6 milhões, é concedido pela CEF. Segundo o prefeito, o maior volume desse dinheiro será destinado ao sistema Bus Rapid Transit (BRT), do Programa de Mobilidade Urbana e desenvolvido pela Prefeitura no trecho que liga a avenida Almirante Barroso à avenida Augusto Montenegro.

Os demais recursos serão empregados nas obras da Bacia do Paracuri, em Icoaraci. "Com esses recursos, conseguimos garantir a celeridade e a consolidação desse projeto, que é fundamental para a nossa cidade”, disse Zenaldo, referindo-se ao BRT. O prefeito disse que a obra do BRT é ampla. "Não se exauriu na Almirante Barroso e também nem vai acabar na Augusto Montenegro. Já está contratado, e em andamento, até Icoaraci, no bairro da Agulha. Da Agulha até o porto de Icoaraci e de São Brás até o Ver-o-Peso são outros projetos. E também teremos outro, já aprovado, que é o BRT Centenário, que começa nessa avenida e vai até a Júlio Cesar e, em seguida, até a Doca de Souza Franco”.

Zenaldo também comentou a interdição de um trecho da Augusto Montenegro, na última quarta-feira, por causa das obras do BRT: "É um sofrimento temporário, para garantir uma obra de fôlego, uma obra que vai dar grande impacto à cidade. Não é só o BRT. Estamos falando de drenagem ao longo da Augusto Montenegro, falando de uma nova iluminação, de ciclovia, de calçamento, do elevado que vai haver na Independência, na Mário Covas”, justificou.

Zenaldo disse ainda que, no contrato assinado ontem, não haverá contrapartida da prefeitura. "É um financiamento da contrapartida da prefeitura. Ou seja, esse dinheiro é emprestado para a prefeitura. O município vai pagar tudo depois. Mas isso aí é um financiamento da contrapartida das obras do PAC”, disse.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Estado de PE desiste de implantar corredor de BRT na rodovia BR-101

25/09/2015 - Jornal do Commercio - PE

ROBERTA SOARES

A crise e a falta de perspectiva econômica do País travaram mais uma das inúmeras obras de mobilidade anunciadas com pompa pelo governo de Pernambuco, ainda na gestão do falecido ex-governador Eduardo Campos. Dessa vez a vítima é o corredor exclusivo de BRT (Bus Rapid Transit) previsto para ser construído na BR-101. Nada saiu do papel desde que foi anunciado, ainda no início de 2013, e agora a Secretaria das Cidades avisa: o projeto está engavetado, sem prazo para voltar a ser discutido. Por enquanto, a rodovia federal terá apenas a operação tapa-buraco e, só no futuro, será feita a restauração completa. Mas nada de transporte público de qualidade.

O Corredor de BRT seria implantado nos 30,6 quilômetros do contorno urbano que a BR-101 faz da Região Metropolitana do Recife. Ligaria o Terminal Integrado de Abreu e Lima, no extremo norte, ao TI de Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, no extremo sul. Na época, foi anunciado como um mega projeto pelo governo. Somente a implantação do corredor exclusivo de BRT custaria R$ 550 milhões. Todo o projeto da BR-101, incluindo a restauração do contorno e as obras d’arte, como são chamadas as pontes, viadutos e elevados, tinham custo superior a R$ 800 milhões.

Seriam construídas 39 estações de BRT e até um elevado exclusivo para os ônibus entre a Avenida Caxangá e a BR-232, exatamente no trecho de maior movimento da BR-101. A previsão era atender 150 mil passageiros. Hoje, as 13 linhas que circulam na rodovia – a quarta perimetral do Recife e de extrema importância operacional para o SEI (Sistema Estrutural Integrado) – transportam 120 mil pessoas por dia, mas em péssimas condições e sem qualquer conforto.

"Infelizmente tivemos que desistir do projeto. A implantação do corredor de BRT estava dividida em três segmentos de dez quilômetros cada e conseguimos assinar um termo de compromisso para receber R$ 132 milhões do governo federal apenas para o primeiro. Não para os outros. Diante do cenário nacional atual, decidimos que o corredor não é prioridade. Que não devemos tentar iniciar um novo projeto tendo outros pendentes. Temos que terminar o que está em obras. Esse é nosso compromisso”, explicou o gerente-geral de mobilidade da Secretaria das Cidades, Gustavo Gurgel.

Não pesou apenas a dificuldade financeira do governo estadual, que assinou decreto de contigenciamento para reduzir em 25% as despesas administrativas, mas principalmente a instabilidade econômica da União. "Não dá para, no momento atual, apostar em uma obra que dependa de recursos federais. É muito risco de descontinuidade. Também não dispomos, agora, de recursos para a contrapartida que o Estado teria que dar. Por isso decidimos que iremos fazer a recuperação emergencial da BR-101 e, futuramente, apenas a restauração da pista”, reforçou Gurgel. Dos R$ 182 milhões previstos para a restauração da rodovia, R$ 120 milhões já estão à disposição da Secretaria das Cidades.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

BRT mais distante da Agamenon

23/09/2015 - Diário de Pernambuco

O ramal do sistema Bus Rapid Transit (BRT) da Avenida Agamenon Magalhães corre risco de não sair do papel. Após vários prazos vencidos para o início das obras, o projeto está sendo avaliado pelo governo do estado, que vai decidir se o trecho é prioritário no atual momento. Embora ainda não tenha descartado oficialmente a implantação do BRT na artéria, a Secretaria de Cidades já não trabalha mais com prazos e diz que não sabe se a pauta vai entrar nos planos do estado.

Diante da falta de perspectivas para o projeto, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) estuda implantar uma Faixa Azul na Agamenon Magalhães, com o objetivo de melhorar o fluxo do transporte coletivo no corredor. A velocidade média da via, em horários de pico, é de 17km/h.

"Houve a contratação de empresa para a implantação do Ramal Agamenon Magalhães, mas a companhia não tem interesse em continuar. Está ocorrendo processo de distrato contratual”, informou, através de nota, a assessoria da Secretaria das Cidades de Pernambuco.

Segundo o gerente de Mobilidade da pasta, Gustavo Gurgel, há um termo de compromisso entre a secretaria e a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ 120 milhões, para a realização das obras. Ele acrescenta que o grau de prioridade do serviço será uma avaliação administrativa que não se deve à falta de recursos. No inicío do ano, contudo, a pasta justificou que as obras, previstas inicialmente para serem entregues antes da Copa do Mundo, estavam atrasadas porque a verba do governo federal não havia sido liberada.

Análises

Por causa da intenção de implantar o ramal, a via ficou de fora das prioridades da CTTU para a Faixa Azul, sistema de faixas exclusivas para ônibus e táxis com passageiros que deve abranger 60km até o fim de 2016. "A possibilidade de implantar uma Faixa Azul na avenida não está descartada, mas depende dos resultados de uma série de análises técnicas e simulações de engenharia de tráfego, que indiquem a viabilidade de garantir um aumento considerável na velocidade dos transportes coletivos que circulam no local”, ponderou a CTTU, por nota. O órgão afirmou que os estudos serão realizados.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Estações do Corredor Expresso Fortaleza disponibilizam acesso a internet wi-fi

18/09/2015 - Fortalbus

Acessar a internet por meio de rede wi-fi nas estações do Corredor Expresso Fortaleza é mais uma comodidade oferecida pelo novo corredor de ônibus localizado na Avenida Bezerra de Menezes, inaugurado no último dia 18 de julho. Para utilizar, basta realizar o cadastro oferecido pela Coordenadoria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Citinova) por meio do site http://wifi.fortaleza.ce.gov.br.



Os dados do usuário são solicitados e devem ser confirmados por e-mail. O acesso é liberado por cerca de uma hora e está limitado à área da estação. A capacidade e velocidade de acesso foram dimensionadas a partir de uma estimativa de quantidade de usuários das estações. O acesso é bloqueado para conteúdo impróprio.

O programa Fortaleza Inteligente oferece internet em diversos espaços públicos da cidade, como praças e, agora, nas estações. Com isso, os usuários do transporte público podem, inclusive, utilizar o aplicativo Meu Ônibus, oferecido, gratuitamente, nos sistemas Android e IOS para acompanhar a previsibilidade de chegada do transporte público.



A internet wi-fi é mais um benefício oferecido pela construção do Corredor Expresso Fortaleza, obra realizada pela Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinf) e da Empresa Municipal de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor).

Instruções para acesso - Para conectar, é necessário confirmar a solicitação do cadastro no site wifi.fortaleza.ce.gov.br por email, utilizando o 3G de qualquer operadora. Quando for acessar, é necessário efetuar o login com o CPF e a senha cadastrados sempre com o limite de 1 hora de uso. Excedido este tempo, para conectar outra vez, é preciso efetuar o login novamente. O cadastro é válido para qualquer espaço público que ofereça internet gratuita da Prefeitura de Fortaleza.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

BRT de Goiânia segue com indefinições

17/09/2015 - O Popular - GO

Cerca de 150 dias depois de iniciada, a construção do corredor de trânsito rápido para ônibus, o BRT (Bus Rapid Transit, da sigla em inglês) está com problemas espalhados em sua extensão, o que prejudica o avanço da obra. O principal deles é a judicialização do processo desde que o promotor de Justiça Marcelo Fernandes de Melo pediu a paralisação da obra solicitando que seja feito estudo ambiental que justificasse a retirada de cerca de 2 mil árvores.

A juíza Zilmene Gomide da Silva Manzolli, da 1ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Goiânia, deve citar a Prefeitura nos próximos dias para justificar a defesa no processo e, posteriormente, decidir se acata ou não o pedido do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO). O caso tem sido apontado como o problema para ampliar as frentes de serviço do BRT, mas, mesmo antes disso, o consórcio responsável pela obra mantém operários em um local, na Avenida Goiás Norte.

O frentista Bonfim Neres Leite, de 38 anos, trabalha em um posto de combustíveis na Avenida Goiás Norte e, mesmo estando no local mais avançado das obras do BRT, duvida que o corredor seja terminado no prazo estimado, até o início de 2017. Para ele, os transtornos no local e os diversos problemas em outros trechos vão fazer com que a construção atrase.

A reportagem do POPULAR percorreu, na tarde de ontem, toda a extensão do BRT e, desde a Avenida Rio Verde e até o Setor Recanto do Bosque, e viu que há desconfiança da população. Comerciantes próximos ao Terminal Recanto do Bosque, por exemplo, duvidam que o corredor vai passar do cruzamento com a Avenida Perimetral Norte. A Prefeitura de Goiânia informou que, em respeito ao processo judicial sobre a obra, não vai se manifestar em relação a continuidade do BRT.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Impasse sobre BRT gera nova briga política entre prefeitura e governo

10/09/2015 - Tribuna da Bahia

O prefeito ACM Neto (DEM) anunciou o projeto do BRT (Bus Rapid Transit) no início da sua gestão, em 2013, e seu objetivo era entregar a via expressa ligando a Estação da Lapa à Ligação Iguatemi Paralela (LIP) no primeiro semestre de 2016, a poucos meses da eleição municipal. No entanto, aquilo que poderia ser o carro-chefe da administração do democrata está se tornando motivo de novo embate político.

Primeiro, porque o BRT com aproximadamente nove quilômetros de extensão tem um custo previsto de R$820 milhões, acrescidos aí a contrapartida da prefeitura e que deve elevar o orçamento para pouco mais de R$1 bilhão. Do total previsto, R$520 milhões foram solicitados à Caixa Econômica Federal (CEF) como empréstimo e R$ 300 milhões deveriam vir através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade, ou seja, do governo federal. É esse o segundo ponto que tira o sono do prefeito ACM Neto.

Com o Palácio do Planalto fazendo corte de gastos e elevando impostos para tentar contornar os impactos da crise econômica que atinge o país, os recursos para as obras podem não ser liberados tão cedo. Neto chegou a afirmar no início dessa semana que já perdeu as expectativas de ver o BRT funcionando por tão cedo e disparou: "Ficou claro que o problema todo é do governo federal”. Como o governo federal é liderado pelo PT, adversário político do prefeito ACM Neto, uma das principais lideranças da oposição no DEM, as queixas também se dão no plano do jogo de interesse político-eleitoral.

Petistas ironizam o projeto do prefeito e dizem que o BRT está muito caro. Fazendo um comparativo, o equipamento soteropolitano tem praticamente a mesma distância, de nove quilômetros, do que foi iniciado recentemente em Feira de Santana. Lá, o orçamento total foi de R$87 milhões, enquanto em Salvador passará da casa de um bilhão. "A prefeitura fez a sua parte. O início da construção do BRT não tem prazo nem previsão. Agora, o que podemos fazer? Nada, apenas lamentar. Principalmente porque se tratou de um compromisso público da presidente da República, que faz parte de um acordo firmado em 2013, quando a prefeitura transferiu o metrô para o governo estadual”, explicou.

Quando prometeu o aporte financeiro, a presidente Dilma classificou o prefeito da capital como grande parceiro dos governos estadual e federal. A partir de então, o prefeito tem peregrinado por Brasília no intuito de conseguir a liberação dos recursos, mas trâmites burocráticos, principalmente no Ministério das Cidades, comandado pelo presidente do PSD nacional, Gilberto Kassab, têm ameaçado o projeto.

A questão se acirra no plano da política porque o governo Rui Costa também tem o projeto de implantação do VLT (Veículo Leve Sobre Trilho) que pretende ligar o bairro de Paripe, no Subúrbio de Salvador, ao terminal da França, no Comércio, substituindo o atual trem que parte da Calçada rumo aos bairros suburbanos. Em julho, surgiu a informação de que Dilma viria a Salvador lançar o edital de construção do equipamento orçado em R$ 1,1 bilhão. Embora isso não tenha se concretizado, acendeu a luz de alerta no Palácio Thomé de Souza, pois o projeto do BRT havia sido apresentado antes do VLT e esse, por ser de autoria do governo do estado, estaria com mais chances de se concretizar do que o ligado ao prefeito ACM Neto.

O governador Rui Costa (PT) sai em defesa do governo Dilma nessa questão e atribui a demora à crise que o Planalto enfrenta. Apesar dos problemas, o mesmo governo petista tem liberado recursos para a construção de contenção de encostas na cidade, por meio da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur), o que tem causado uma disputa política entre governo e prefeitura. As constantes visitas do governador aos bairros da capital autorizando ou inaugurando obras lhe rendeu o apelido de "goverfeito”, por serem ações que geralmente seriam feitas pelo prefeito.

sábado, 29 de agosto de 2015

Apesar dos problemas, BRT de Recife é aprovado pelos passageiros

27/08/2015 - Diário Pernambucano

Um ano depois de implantação, usuários ressaltam padrão superior do modal, que ainda tem obras atrasadas em seus corredores

Anamaria Nascimento

BRT de Recife é aprovado pelos passageiros
BRT de Recife é aprovado pelos passageiros
créditos: Brenda Alcântara/Esp.DP/D.A Press

Pouco mais de um ano depois de começar a operar na Região Metropolitana do Recife, o BRT (Bus Rapid Transit) é bem avaliado pela maior parte dos 86 mil passageiros atendidos, segundo pesquisa da Urbana-PE. Mas esses usuários representam apenas 4,3% dos dois milhões de pessoas que se locomovem no sistema de transporte público da RMR e são só 25% dos 335 mil previstos para o modal, quando os corredores Leste/Oeste e Norte/Sul estiverem totalmente concluídos. Neste início do segundo ano de operações do BRT, o Diario foi às ruas ouvir os passageiros, que aprovam a operação, mas cobram a conclusão das obras. 

O grau de satisfação dos usuários do BRT tem nome: o conforto das estações e dos ônibus. Pelo menos para eles, não há o que reclamar. Também não há parâmetro com nenhum outro sistema que opere na Região Metropolitana do Recife. O BRT é o principal sistema de transporte público atual, só falta ainda garantir seu sobrenome: Rapidez. A expectativa é que ao fim das obras, os corredores disponham de faixas exclusivas para os ônibus. 

Os comentários elogiosos, porém, quase sempre são acompanhados de sugestões para que melhorias sejam implementadas no sistema. Respeito de outros condutores ao corredor exclusivo de ônibus, aumento no número de veículos para diminuir a quantidade de passageiros nos coletivos e mais opções de linhas nos corredores Norte/Sul e Leste/Oeste são os pedidos dos usuários.

Mesmo operando sem todos os terminais e com estações ainda por concluir, uma pesquisa de satisfação com usuários do corredor Leste/Oeste, que liga Camaragibe ao Centro do Recife, mostrou que 76% dos passageiros estão satisfeitos com o BRT. A climatização dos veículos foi apontada como o principal motivo da aprovação. 

Assentos confortáveis, limpeza e segurança foram outras razões mencionadas. O estudo, encomendado pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE), foi realizado em dezembro de 2014. Dos 600 entrevistados, 10% afirmaram estar insatisfeitos com o sistema. 

O coordenador da Regional Nordeste da Associação Nacional de Transporte Público (ANTP), César Cavalcanti, avaliou que os usuários elogiam o BRT, porque o comparam com os convencionais. “O nosso BRT ainda não merece esse título, pois faltam algumas características importantes do modelo, como a total priorização de circulação dos ônibus. No entanto, o usuário elogia as estações e os veículos, pois são muito melhores que os tradicionais”, pontuou.

"É a parte mais agradável da viagem. Tem ar-condicionado"

A empregada doméstica Mozelita Oliveira, 47 anos, percorre 20 km diariamente entre Bultrins, em Olinda, - onde mora - e Boa Viagem, Zona Sul do Recife - onde trabalha. Mais da metade do percurso é feita num ônibus do sistema BRT. “É a parte mais agradável da viagem. Tem ar-condicionado”, diz. “Queria eu que tivesse BRT até Boa Viagem”, completa.

Para chegar ao local de trabalho, Mozelita pega um coletivo da linha TI PE-15 (Dantas Barreto) na estação Quartel do corredor Norte/Sul. Segue até a Avenida Dantas Barreto. São 12 km diários num veículo do Via Livre. De lá, escolhe entre um ônibus da linha Aeroporto ou Jardim Piedade. “Preferia só usar esses ônibus, mesmo que tivesse que trocar de veículo”.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Prefeitura anuncia ampliação de estações do BRT Transoeste

18/08/2015 - O Dia

Magarça, Mato Alto e Curral Falso devem ser transformadas em terminais, informou a Secretaria Municipal de Obras

O DIA

Rio - Além das promessas de aumentar os terminais do BRT Santa Cruz e Alvorada, a Secretaria Municipal de Obras (SMO) divulgou que há estudos para ampliar as estações Magarça, Mato Alto e Curral Falso, do Transoeste, e transformá-las em terminais. As obras, que visam a amenizar os efeitos da superlotação, ainda não têm prazo para ocorrer, exceto a do Alvorada. 

O secretário municipal de Transportes, Rafael Picciani, comentou, em gravação de entrevista ao programa "Deles e Delas", da TV CNT, que vai ao ar no sábado, que o Terminal Alvorada será ampliado antes das reformas no corredor Transoeste.

Segundo a SMO, as intervenções no Alvorada estão em fase de mobilização de canteiro e execução da 4ª faixa da Avenida das Américas, sentido Recreio. "Com a extensão deste terminal, a área de circulação dos ônibus BRT será potencializada mediante a duplicação do número de pistas existentes no local. As baias para ônibus também serão ampliadas", afirmou a pasta em nota. A capacidade do Alvorada é de 35 mil passageiros por hora e deve dobrar.

Governo do Pará apresenta projeto do BRT para engenheiros e arquitetos

21/08/2015 - Agência Pará de Notícias


Evento contou com a presença de mais de cem engenheiros, arquitetos, parlamentares, estudantes e interessados no projeto que integrará os municípios do entorno de Belém

Projeto contempla também construção de viaduto 
Projeto contempla também construção de viaduto
créditos: Agência Pará
 
Na noite de noite (19), no Clube de Engenharia do Pará (CEP), foram apresentados os projetos e investimentos que estão sendo implementados para melhorar a mobilidade urbana na Grande Belém. Entre outros, o projeto do BRT Metropolitano foi mostrado a engenheiros, arquitetos, estudantes e interessados pelo governo do estado, representado pelo diretor geral do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), Cesar Meira.
 
Segundo o governo do Pará, somadas todas as obras de mobilidade urbana espalhadas pela Região Metropolitana de Belém (RMB) o investimento foi de mais de um bilhão de reais. "É um momento ímpar, pois nunca tivemos um investimento desse porte na área de mobilidade. E não estamos falando apenas de projetos, mas de obras que já são realidade, como a Avenida Independência, que já foi entregue e as Avenidas João Paulo II e Perimetral que estão com obras em andamento", pontuou Cesar Meira.
 
BRT
O BRT (Bus Rapid Transit) Metropolitano vai beneficiar a população da capital, ao integrar os municípios, reduzir os graves congestionamentos e trazer melhoria para o transporte público metropolitano. O sistema será mais rápido, seguro e com muito mais qualidade, trazendo um novo conceito de transporte público. Com o BRT Metropolitano, o tempo de viagem de Marituba ao Ver-o-Peso será reduzido de 40% a 50% e ampliará a atual oferta de transporte de 11 mil passageiros/hora/pico/sentido para 24 mil passageiros/hora/pico/sentido.
 
Meira informou que a expectativa é que o processo licitatório seja iniciado em setembro. "Estamos no aguardo da cessão de uso da BR-316, que será concedida pelo governo federal para darmos início à licitação", informou o diretor geral. O modelo conceitual de implantação do Sistema BRT (Bus Rapid Transit) é operado por ônibus articulados com quatro portas no lado esquerdo, trafegando em canaletas, de Marituba até Belém. O Projeto Ação Metrópole prevê, ainda, a gestão operacional associada dos serviços de transporte público por ônibus, executada por um consórcio formado pelo Estado e pelas prefeituras que fazem parte da RMB.
 
O diretor de planejamento do NGTM, Paulo Ribeiro, apresentou a parte técnica do projeto do BRT Metropolitano em detalhes. "Foram realizados vários estudos técnicos e econômicos que justificaram a implantação do BRT para a Grande Belém", informou o diretor de planejamento, ao explicar que o BRT é um sistema de transporte público moderno que, diferentemente dos ônibus convencionais, fornece, ao passageiro, uma viagem mais rápida, confortável e segura, e agrega as características de operação, desempenho e conforto dos sistemas de transporte sobre trilhos (metrô e veículo leve sobre trilhos — VLT), custando de 4 a 20 vezes menos que um VLT e de 10 a 100 vezes menos que um metrô para uma mesma quantidade de passageiros transportados.
 
Projeto
Situadas ao longo de todos os 10,7 km da Rodovia BR-316, no canteiro central, as faixas exclusivas para os ônibus do BRT Metropolitano serão construídas em concreto e serão separadas do tráfego geral. Além disso, semáforos inteligentes permitirão que os ônibus do BRT Metropolitano tenham prioridade nos cruzamentos e passem menos tempo parados no sinal vermelho. Ao longo das faixas exclusivas serão instaladas 26 estações de passageiros na Rodovia BR-316, sendo 13 para cada sentido.
 
O acesso às estações será feito através de passarelas (com rampas e escadas) ou travessias semaforizadas. Nessas, haverá venda de passagem e a validação do cartão de embarque. Além disso, serão instalados bicicletários próximos às passarelas para possibilitar que os ciclistas também utilizem o BRT como parte de suas viagens.
 
Paulo Ribeiro mostrou como será a BR-316 após as obras, que passará por grande intervenção, informando que serão implantadas calçadas e ciclovias arborizadas em ambos os lados da via, o que permitirá que os pedestres e ciclistas circulem com segurança e conforto. As estações possuirão painéis eletrônicos para informar o horário de chegada dos ônibus e irão operar com portas automáticas. Além disso, essas estações terão plataformas elevadas para permitir o embarque e desembarque de passageiros em nível, garantindo a utilização do BRT de forma segura e confortável. "Também considerando todos os requisitos de acessibilidade espacial para portadores de necessidades especiais", complementou.
 
Terminais
O ponto inicial do BRT será o Terminal Marituba, localizado no km 10,7 da Rodovia BR-316, próximo a Alça Viária, e permitirá a integração das linhas alimentadoras que vêm de Marituba ao BRT. O Terminal será composto por duas plataformas, sendo uma para as linhas troncais e outra para as linhas alimentadoras, área de expansão e de estocagem, praça e estacionamento para motos, veículos e bicicletas, possibilitando a integração desses usuários. Nesse terminal, também serão ofertados outros serviços à população através de programas do Governo, como o "Navega Pará", com acesso gratuito à internet sem fio (Wi-Fi), e a "Estação Cidadania", onde seus usuários terão acesso a órgãos públicos e demais serviços sem ter que se deslocar até o Centro de Belém.
 
Já em Ananindeua, o Terminal será localizado no km 6,5 da Rodovia BR-316, em frente à Sede Campestre da AABB. Será o principal ponto de integração das linhas alimentadoras de Ananindeua ao BRT. Esse terminal contará com acessos através de passagens subterrâneas para as linhas troncais, três plataformas para as linhas troncais e alimentadoras, área de expansão e de estocagem, estacionamento para motos, veículos e bicicletas, acesso à internet sem fio (Wi-Fi), praça e outra unidade da "Estação Cidadania".
 
Localizado ao lado do Terminal Ananindeua, o Viaduto Ananindeua atravessará a Rodovia BR-316 e terá quatro pétalas, possibilitando todos os retornos no local, tanto para os ônibus quanto para os veículos particulares. O Terminal de Ananindeua se configura como o maior e mais importante Terminal do BRT Metropolitano, uma vez que possibilitará a conexão deste aos conjuntos Cidade Nova e seu entorno, através da Rua Ananin que está sendo executada pela prefeitura de Ananindeua e do viaduto aqui apresentado, além de facilitar a ligação entre as áreas ao sul da BR, como conjunto Julia Seffer e Aurá à Cidade Nova.
 
O painel de debates, realizado na sede do CEP, faz parte da proposta da diretoria do Clube de discutir com a sociedade temas que afetam diretamente o cotidiano dos paraenses, como ocorreu anteriormente com relação à divisão do Estado. O presidente do CEP, Daniel Sobrinho, agradeceu a forma como foi recebido pela diretoria do NGTM ao fazer o convite para o encontro. Também participaram do painel o titular da Secretaria Municipal de Urbanismo (Sedurb), Adinaldo Oliveira, e a diretora-superintendente da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob), Maísa Tobias, que apresentou o BRT Municipal. Mais de 100 pessoas participaram do encontro.
 
Obras de Mobilidade Urbana na RMB - Quadro de Valores (milhão)
• Prolongamento da Av. Independência                                     R$  120
• Duplicação da Av. Perimetral                                           R$   77
• Prolongamento da Av. João Paulo II                                     R$  300
• Duplicação da Yamada/Tapanã                                            R$   65
• Plataforma Logística do Guamá                                          R$  104
• BRT Metropolitano                                                      R$  400
• Total (bilhão)                                                         R$ 1.066

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Prefeitura de Uberaba abre licitação para corredor Sudeste e Sudoeste do Vetor/BRT

20/08/2015 - 



A Prefeitura de Uberaba torna pública a abertura dos processos de licitação para contratação de empresa que fará as adequações necessárias para as obras de implantação do novo trecho do sistema BRT/Vetor a ser implantado em Uberaba, com o eixo Sudoeste e o eixo Sudeste.

O certame será disputado na modalidade concorrência do tipo menor preço global, visando atender à Secretaria de Obras. Para a licitação do corredor BRT Sudoeste, a data limite para entrega dos documentos de habilitação e proposta de preço é até às 9h do dia 23 de setembro, na sala de reuniões da Secretaria de Serviços Urbanos (Sesurb). Os envelopes serão abertos às 9h15 no mesmo dia e local. O valor estimado da licitação é de R$ 21.957.200,36.

Para a licitação do corredor Sudeste, a data para a entrega da documentação é às 9h do dia 22 de setembro, na Sesurb. A abertura dos envelopes ocorrerá às 9h15 do mesmo dia e local. O valor estimado da licitação é de R$ 15.874.058,50.

O braço do eixo Sudeste passará pelas ruas e avenidas Guilherme Ferreira, Nelson Freire, Abílio Borges e Bandeirantes, onde ficará o terminal de embarque e desembarque de passageiros, nos moldes dos terminais Leste e Oeste. Os braços do eixo Sudoeste passarão pela rua Bento Ferreira, avenida da Saudade, avenida Dona Maria de Santana Borges, avenida João Dallacqua e avenida Juca Pato, onde ficará o terminal de embarque e desembarque de passageiros. As estações retangulares instaladas no percurso terão ar condicionado, cobertura sanduíche, sistema de reaproveitamento de água de chuva, rampas de acessibilidade, catracas e câmeras.

Para o secretário de Planejamento e Gestão Urbana, Marcondes Nunes, a publicação das licitações é mais um passo importante para o avanço da política de mobilidade urbana que beneficiará a cidade inteira. "Esses dois eixos vão complementar o sistema, atendendo a uma parcela muito maior da população, principalmente em bairros distantes do Centro, que poderão chegar muito mais rápido ao seu destino por meio do transporte coletivo", afirmou.

Informações: Jornal de Uberaba

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Teresina licita 34 estações de passageiros como parte do projeto de mobilidade urbana

05/08/2015 - Capital Teresina

A Prefeitura de Teresina vai realizar nos próximos dias licitações para a construção de 34 estações de passageiros. Esse projeto está incluso nas obras de construção dos corredores exclusivos para ônibus, com o objetivo de promover a mobilidade urbana.

"As 34 estações de passageiros estão inclusas dentro das obras dos corredores da Barão de Gurgueia e da Miguel Rosa. Por isso, conforme sejam executadas as construções dos corredores, Teresina ganhará muito mais estações. A maior preocupação é oferecer conforto aos usuários do transporte público, começando desde a estação, que é ampla, protegida do sol e climatizada, até o trajeto do ônibus, que vai ser mais rápido por conta dos corredores exclusivos", avalia José João Braga, secretário executivo de Captação de Recursos e Monitoramento da Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação (SEMPLAN).

As novas estações serão climatizadas e vão contar com portas automáticas, fechamento em vidro, forro de gesso e piso granilite. Cada estação de passageiro terá aproximadamente 500 metros de distância uma das outras.

O corredor exclusivo da Avenida Miguel Rosa terá 7,74 km de extensão e contará com 22 estações de passageiros. Essa obra está orçada em R$ 13.826.508,04 e o processo licitatório está marcado para o próximo dia 14. Já o corredor exclusivo para ônibus da Avenida Barão de Gurgueia terá 5,5 km de extensão e contará com 12 estações de passageiros. A obra deverá ser licitada no início de setembro e está orçada em R$12.655.229,33.

Ambas as obras serão executadas com recursos do Programa de Financiamento das Contrapartidas do Programa de Aceleração do Crescimento (CPAC) e a previsão para conclusão é de 12 meses cada, a contar da assinatura da ordem de serviço.

"As estações de passageiros terão de 3m a 3,5m de largura, por 30m a 45m de comprimento, dependendo da quantidade de passageiros. Nós fizemos um estudo antes de apresentar esse projeto, contendo todos esses detalhes. Por isso algumas ficarão mais próximas e maiores a fim de atender toda a demanda de passageiros com conforto e segurança", finaliza José João Braga.

Informações: Capital Teresina

O próximo corredor de ônibus expresso BRT em Fortaleza

07/08/2015 - Fortalbus



As novas ações da Prefeitura visam oferecer um transporte público de qualidade, com previsibilidade de horário e rapidez entre as viagens, trazendo mais conforto ao usuário. O BRT é um dos corredores expressos prometidos para melhorar o fluxo de tráfego, atendendo às diretrizes das políticas de mobilidade urbana, na qual o foco prioritário é o transporte público coletivo.



Depois do sucesso do BRT Bezerra de Menezes que liga o Terminal Antônio Bezerra ao Centro, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, anunciou o início dos estudos de viabilização para as obras da primeira etapa do BRT Fernandes Távora/Expedicionários, que deve ter início em um prazo de 60 dias. O BRT tem investimento de R$ 125 milhões, e quando pronto, contará com 17 Km. 

O BRT Fernandes Távora/Expedicionários ligará o Conjunto Ceará, um dos bairros mais populosos de Fortaleza, ao centro da capital. Além das melhorias viárias, este corredor prevê a reforma, ampliação e adequação do terminal da Parangaba, passando da área atual de 12.000 m2 para 22.000 m2, que representa um acréscimo de mais de 80%, tornando o terminal compatível com a demanda atual de passageiros.

Novo edital do BRT ainda não tem data para ser publicado

07/08/2015 - Diário de Sorocaba

Após o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) liberar a Prefeitura de Sorocaba, na última semana, a marcar uma nova data para apresentação de propostas para o edital do sistema Bus Rapid Transit (BRT) – Ônibus Rápido, a Secretaria de Administração já está analisando as adequações solicitadas pelo TCE e afirmou que elas serão levadas em consideração na elaboração de novo edital, que ainda não tem data para ser publicado.

Em março deste ano, o TCE-SP havia suspendido a licitação internacional para a implantação do BRT após o vereador Marinho Marte (PPS), o advogado Luís Daniel Pelegrine e uma empresa de ônibus, formularem representações denunciando irregularidades no edital. Agora, com a nova decisão, a Prefeitura está liberada para fazer a publicação do texto e reabrir o prazo para receber propostas. O valor estimado na licitação internacional é de mais de R$ 2,3 bilhões.

A implantação do BRT é um dos pontos do Plano Diretor de Transporte Urbano e Mobilidade da cidade, cuja prioridade é o transporte não motorizado e coletivo. A previsão é de que entre 150 mil e 180 mil usuários do transporte coletivo sejam atendidos pelo sistema diariamente e o tempo de viagem terá uma redução da ordem de 20%.

Além disso, para maior rapidez, os BRTs terão pontos de paradas reduzidos, especialmente nas estações em nível, instaladas nos canteiros centrais. O BRT funcionará em conjunto ao modelo atual, permitindo integração aos Terminais Santo Antônio e São Paulo, às seis Áreas de Transferências e a integração temporal entre diferentes linhas com o pagamento de uma única tarifa.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Galeria do Túnel Transolímpico chega à última fase de construção

05/08/2015 - O Globo

RIO - O governador Luiz Fernando Pezão e o prefeito Eduardo Paes acompanharam, na manhã desta terça-feira, a última fase da construção da galeria do Túnel Transolímpico, que marca a etapa final da obra da via de 25 quilômetros que ligará os bairros do Recreio, Barra, Deodoro, Curicica, Colônia, Taquara, Jardim Sulacap, Vila Militar e Magalhães Bastos.

Com a conclusão da obra, estima-se que o tempo médio de viagem no percurso seja reduzido em 60%, passando de duas horas e meia para apenas meia hora. Cerca de 55 mil veículos deverão trafegar diariamente na via, que também servirá de corredor para o BRT, beneficiando ao menos 70 mil passageiros por dia, quando estiver em plena atividade.

Após a detonação cenográfica, com direito a barulho de explosão e o uso de uma retroescavadeira para desobstruir uma espécie de parede, construída por operários na noite desta segunda-feira, já que a galeria estava completamente escavada há 20 dias, Paes e Pezão surgiram em meio à passagem e atravessaram o túnel a pé, seguindo até o trecho onde será erguida a praça de pedágio. Resultado de uma Parceria Público Privada (PPP), a obra tem custo previsto de R$ 2,2 bilhões.

Depois de percorrer o túnel, o prefeito Eduardo Paes disse que a obra vai tornar a cidade mais integrada e justa e ressaltou que o Rio não vai parar de gerar obras e empregos. Paes agradeceu a parceria com o governador Pezão e a presidente Dilma Rousseff.

O quinto maior túnel da cidade tem duas galerias, totalizando 1,5 quilômetro de extensão. Todo o trecho será monitorado por câmeras com imagens transmitidas em tempo real para o Centro de Controle e Operações da prefeitura. O túnel contará com gerador próprio para alimentar iluminação de LED e um sistema à prova de apagões e prevenção contra incêndio.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Tecnologia embarca nos ônibus do Rio

30/07/2015 - O Dia

Conheça os equipamentos de última geração que permitem saber desde a localização dos coletivos em tempo real até carregar o celular no trânsito

O DIA

Rio - A tecnologia embarcou junto com os passageiros nos ônibus. Desde que o serviço de transporte urbano foi licitado pela Prefeitura do Rio, em 2010, os veiculos foram equipados com instrumentos de última geração que permitem saber desde a localização do coletivo, em tempo real, até a captação de imagens internas e externas. Na região de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Tanguá e Maricá, sistema wi-fi gratuito, conexão USB para carregar o celular e biometria são algumas das novidades.

Conheça as tecnologias que viajam nos ônibus todos os dias.

A modernidade no município do Rio

GPS (Global Position System ) – está presente em todos os ônibus que circulam na cidade e fornece localização em tempo real. Os sinais dos aparelhos são enviados para o Centro de Controle e Operação do Rio Ônibus. Todas as informações dos GPS das empresas são unificadas e repassadas para a Prefeitura e para o Centro de Operações Rio. Este equipamento é uma exigência do Edital da licitação feita em 2010.

Tacógrafo – verifica a velocidade do ônibus. Em caso de acidente, fornece informações importantes que auxiliam no esclarecimento dos casos. O uso do tacógrafo é obrigatório de acordo com o Edital de licitação.


BRT tem os equipamentos mais modernos do sistema de transporte de passageiros da cidade
Foto:  Divulgação

Bilhetagem Eletrônica – permitiu a integração de tarifas entre os sistemas que operam na região metropolitana. A cobrança eletrônica começou a ser feita em 2005. Atualmente são disponibilizados o Bilhete Único Carioca, Bilhete Único Intermunicipal e a Integração Convencional com o Metrô. Essa tecnologia dá condições ao passageiro de pegar até dois ônibus, pagando apenas uma passagem, na região metropolitana. No BRT, é possível embarcar em até três ônibus.

Sistema de TV – tecnologia usada para entretenimento e informação do usuário. Os aparelhos estão em expansão nas linhas e empresas. O canal tem conteúdo próprio voltado também para divulgação de campanhas, alertas de alteração de itinerário e pontos de ônibus.

Câmeras de Segurança – os ônibus são equipados com duas câmeras que captam imagens internas e externas do veículo. O arquivo é descarregado nas empresas, que são obrigadas a armazená-los por até três dias.

Equipamentos de última geração no BRT

No BRT, que encurtou o tempo de viagem para os passageiros do Transcarioca e do Transoeste, os ônibus utilizam os equipamentos mais modernos do sistema de transporte de passageiros na cidade.

Câmeras de Segurança – as imagens internas e externas dos ônibus são transmitidas em tempo real para o Centro de Controle e Operação (CCO).

Computador de Bordo – controla os avisos sonoros de paradas nas estações, faz a comunicação do motorista com o CCO e também gerencia o envio de sinal do GPS com o posicionamento do ônibus.

Sistemas de freio – O BRT tem cinco sistemas de freios que trabalham em paralelo (freio de serviço a ar comprimido, freio motor, freio de cabeçote tipo top break, freio hidráulico e ABS (sistema anti-bloqueio). Além disso, um equipamento chamado Retarder funciona da seguinte maneira: assim que o motorista tira o pé do acelerador, automaticamente o freio motor já é acionado.

Câmbio automático - permite trocas de marchas mais suaves e aumenta o conforto do motorista e dos passageiros.

Motor com tecnologia EURO V – motor de alta tecnologia com menor nível de emissão de poluentes.

Painel com imagens das câmeras – no painel, o motorista recebe as imagens das câmeras de ré e das portas dos ônibus.

Combustível – o BRT usa o diesel padrão S10 com adição de 5% de biodiesel. Essa combinação permite reduzir o aumento da concentração de gás carbônico, que ocasiona o efeito estufa na atmosfera.

Novidades em toda a Região Metropolitana

Avisos sonoros - Presente em sete linhas - o que equivale a 120 ônibus - que circulam em Pendotiba e na região oceânica. A tecnologia avisa sobre as próximas paradas dos ônibus, modelo semelhante ao já utilizado no metrô. O serviço auxilia os deficientes visuais e também ajuda os passageiros que não estão habituados com os itinerários dos coletivos.

Sistema Wi-Fi gratuito para passageiros e conexão USB para carregar celular - em quatro linhas da Viação Araçatuba, em Niterói: Linha 30, Linha 47, Linha 47 A e Linha 47 B.

Biometria - Os ônibus da região do Setrerj (Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Tanguá e Maricá) foram os primeiros a contar com a biometria digital em todo o estado do Rio de Janeiro. O sistema de biometria é utilizado para embarcar os passageiros portadores de gratuidade com presteza e segurança, comprovando que o portador é, realmente, a pessoa que tem direito ao benefício

BRT modifica estações para evitar calote

30/07/2015 - O Dia

Além da medida, policiais do Proeis atuam para combater pessoas que se arriscam para entrar no transporte sem pagar

RIO - O Consórcio BRT adaptou duas estações para evitar que pessoas tentem entrar de graça nos ônibus. Além de cometer fraude, esses usuários colocam em risco a própria vida, porque se arriscam nas pistas exclusivas de ônibus e se penduram na extremidade das platafaformas, pelo lado de fora das portas de embarque e desembarque das estações.



BRT modifica estações para evitar calotes
Foto:  Divulgação~BRT

As modificações estruturais foram feitas nas estações de Curicica, do corredor Transcarioca, e Curral Falso, do Transoeste. Os degraus localizados nas pontas das plataformas, que serviam de acesso para as pessoas que invadiam a estação, foram eliminados. Além disso, foram colocadas placas de metal nas extremidades e nas portas de embarque e desembarque de usuários.

No dia 28, um passageiro que realizava o embarque irregular pelas portas de vidro foi atingido pelo retrovisor de um ônibus na estação do Mato Alto. Segundo o consórcio, além da medida anticalote, policiais do Proeis, que são pagos para trabalhar nos dias de folga no sistema BRT,  têm atuado para evitar as evasões. Quem for pego viajando no transporte público sem pagar passagem pode pegar de 15 dias a dois meses de prisão e pagar multa, conforme artigo 176, do Código Penal.

Transolímpica: estação de Sulacap já muda o visual do bairro

28/07/2015 - O Dia

Estrutura é a primeira de 18 que serão construídas no traçado entre o Recreio dos Bandeirantes e Deodoro

O DIA

Rio - A maior estação do BRT Transolímpica ficou pronta nos últimos dias em Jardim Sulacap e já é a responsável por mudar o visual do bairro. Localizada na altura da Avenida Marechal Fonetelle, a estrutura é a primeira de 18 que serão executadas no traçado que ligará o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro.

Segundo a Secretaria Municipal de Obras, a estação, construída em seis meses, conta com 141 metros de comprimento, dois acessos com bilheterias e oito plataformas, no total. Ela fica em um ponto estratégico do corredor, ampliando o acesso também aos usuários de Bangu, Realengo e Vila Valqueire. A Transolímpica tem conclusão prevista para o primeiro semestre de 2016, sob investimento de R$ 2,2 bilhões.


Estação Sulacap ficou pronta em menos de seis meses e será a maior do corredor
Foto:  Divulgação

O BRT Transolímpica é a esperança da prefeitura para desafogar o Transoeste, que recebe 184 mil passageiros por dia. Com uma faixa exclusiva para ônibus articulados e duas para carros em cada sentido, o corredor tem 65% das obras executadas.

Para a Secretaria Municipal de Transportes, os moradores de bairros entre Bangu e Campo Grande, que trabalham no Recreio e na Barra, deverão utilizar o novo BRT, tirando a sobrecarga existente hoje na Estação Mato Alto, do Transoeste. Para isso, eles poderão fazer conexão entre as linhas de ônibus comuns e os serviços da Transolímpica nos futuros terminais de Sulacap ou de Deodoro.